Dossiê Cartas e Cataclismas

| ano 4, n. 8, 2017 |

| EDITORIAL | 

 

“Entre a permanência e a ruptura, quase um parênteses. Junto aos parênteses, pelos vãos, entram e saem (im)possibilidades de comunicação e diálogo entre os mais diversos suportes midiáticos, artísticos e científicos que podem ser disparados, como cartas ao vento, garrafas ao mar… Um propor sub-versões dos versos de Sá e Guarabira: “o sertão vai virar mar, dá no coração, o medo que algum dia o mar também vire sertão”. Diversidade em versos, ideias, proposições, pesquisas, argumentações. Diversas cidades que, assim como os vãos dos parênteses, perfuram e rasuram essas comunicações e diálogos múltiplos, proporcionando outras propostas para os climas e os cataclismos, ktaklusmós,oû, da etimologia grega “inundação; desaparição”; do verbo kataklúzσ “cobrir de água”. Cataclismatizar e não somente climatizar os lugares, os espaços, os tempos, as vidas, as pesquisas, as escritas. Resistir, reexistir junto às tensões do imponderável”.

 

 

 

Elenise Andrade & Érica Speglich
Editoras

 

 

Cartas e cataclismas apresentam-se

 

Screenshot_2017-03-17-11-53-08Screenshot_2017-03-15-18-28-20Entre a permanência e a ruptura, quase um parênteses.

Cata, pega. Carta, leva. Projetos? Postal, Casa 3

Leva e lava. Água e vulcão.

Ca(r)ta para que? O que avisamos?

Cartas ao mar.

Caatinga. Ka’atinga.

 

 

 

 

Screenshot_2017-03-17-11-53-00

Caminhos, encontros, mares, matas, mapas, ruas que se querem movimento e ligação através de cartas que não catam e pegam,Screenshot_2017-03-17-11-52-49

não levam e lavam, não vão e veem em função de um dito aqui e respondido ali, mas que ficam meio que boiando, modos de vida mantidos à distância…

Acontecimentos, aquilo que nos move, em pensamento e em andanças pelas ruas, pelas cidades, pelas mudanças. Mínimo acesso…

Mudanças climáticas? Temperaturas, umidades relativas do ar, ventos, chuvas que impactam determinada região ao longo do tempo. Espero… chegar… Uma tradução?

 

Screenshot_2017-04-12-09-04-33 (1)Atravessamentos?

Mudanças cataclismáticas? Clima? Tempo?

Descartes no espaço/tempo do hífen?

Carta-clima? Cartas ao mar para um possível: o que esperamos de nós?

Talvez Cartas ao avesso.

Há muito tempo precisava lhe escrever. Uma carta de licantropo a Satã, um relato de ecologias ruidosas. E não me chame de dramático ou apocalíptico.

Tempo bom, tempo ruim.Screenshot_2017-03-17-11-52-43

Será possível essa categorização?

E clima bom? Clima ruim? Por que? Para que(m)?

 

Junto aos parênteses, pelos vãos, entram e saem (im)possibilidades de comunicação e diálogo entre os mais diversos suportes midiáticos, artísticos e científicos que podem ser disparados, como cartas ao vento, garrafas ao mar…

Propor sub-versões dos versos de Sá e Guarabira: “o sertão vai virar mar, dá no coração, o medo que algum dia o mar também vire sertão”.

Screenshot_2017-03-17-11-52-22Screenshot_2017-03-17-11-52-15

Screenshot_2017-03-17-11-52-30Screenshot_2017-03-21-15-16-17

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Diversidade em versos, ideias, proposições, pesquisas, argumentações.Screenshot_2017-04-12-09-04-44 (1)

Diversas cidades que, assim como os vãos dos parênteses, perfuram e rasuram essas comunicações e diálogos múltiplos, proporcionando outras propostas para os climas e os cataclismos, ktaklusmós,oû, da etimologia grega “inundação; desaparição”; do verbo kataklúzσ “cobrir de água”.

Em temos de cataclismas, inundam-se ilhas. Não por oceanos subindo junto com as temperaturas, mas por escolhas por complexos hidrelétricos e não pelas ilhas. Cubra-se de água. Cataclisme-a. E que se ouça, se grite, se cante, se rime e se diga de um Requiém para a ilha do Arapujá. Carta-requiém para uma ilha cataclismada.

Des-coloRIR em cores. Des-focar, reCOLorir. Desvio: a cidade posta em cartões.

Screenshot_2017-03-17-11-52-07CobrScreenshot_2017-03-17-11-51-57ir de outras águas, descobrir outros líquidos, escorrer por vertentes que não mais seriam vãs. Andanças des(fo)cadas, (re)color-indo espaços e tempos outros.

Cataclismatizar e não somente climatizar os lugares, os espaços, os tempos, as vidas, as pesquisas, as escritas. Resistir, reexistir junto às tensões do imponderável.

Deixar-se atraVERSAR pelos parênteses que per-duram (ou não) nas cartas -potências poéticas expressas em restos, em dobras, em aglomerações, em adensamentos… Águas (,) escritas (.) enchentes (de) gentes … Cartas como lugares para experimentar cultivos, de bem querer, de estar junto, Carta para X.

Screenshot_2017-04-12-09-04-55 (1)Versos (s)em sentidos.

Cismas di(e)versos.

Com-versas.

“Conversas suspensas como cartas lançadas em garrafas ao mar. Cada garrafa é um mundo que vaga em direção a outros mundos…, mundos desconhecidos. Impossível calcular o que irá acontecer quando eles se encontrarem. Impossível se preparar para o incalculável.” (ANDRADE; GODOY, p. 57, 2011).

ca(r)tacli(s)ma…

 

 

 

 

 

Elenise Cristina Pires de Andrade & Érica Speglich

Editoras

 

SUMÁRIO | DOSSIÊ CARTAS E CATACLISMAS

SEÇÃO PESQUISA

Artigos

Águas (,) escritas (.) enchentes (de) gentes…

Elenise Cristina Pires de Andrade e Louise Mara Soares Bastos

Cartas ao mar para um possível: o que esperamos de nós?

Helane Súzia Silva dos Santos, Carlos Augusto Silva e Silva e Maria dos Remédios de Brito

Mínimo… Acesso

Andreia Marin e Paulo Manaf

Relatos sobre ecologias ruidosas dos infernos na carta de um licantropo a Satã 

Rodrigo Barchi

Andanças des(fo)cadas, (re)color-indo espaços e tempos outros

Lucas da Silva Santos

Sociedade natureza na roda do clima: a ginga da sustentabilidade e seus jogos

Marcelo Faria e Marco Tomasoni

 

Ensaios

Réquiem para a ilha do Arapujá

Dhemersson Warly Santos Costa, Carlos Augusto Silva e Silva e Maria dos Remédios de Brito

Palavras Desesterradas

Elenise Cristina Pires de Andrade

Carta para X

Breno Filo Creão de Sousa Garcia

Desvio: a cidade posta em cartões

Amanda M. P. Leite e Renata Ferreira da Silva

 

Resenha

Cartas entre Areias do Imperador

Érica Speglich e Elenise Andrade

 

SEÇÃO ARTE

Artes

Projeto de Arte Postal

Alzira Ballestero, Liliana Menegali, Renata Ghirotto e Zelinda Jordão (Ateliê Casa 3)

Ka´ atinga

Vinícius de Brito

Redondezas

Annaline Curado

Cartas ao avesso

Glauco da Silva

Espero… chegar

Coletivo Tecendo

 

Laboratório-Ateliê

Enchentes

Grupo multiTÃO

INTERVALAR – Linhas, letras e apagamentos

Grupo OLHO

Sky watcher charter

Grupo multiTÃO e Orssarara Ateliê

Álbum de parentes desconhecidos

Grupo multiTÃO e Orssarara Ateliê

 

SEÇÃO LIVROS

“Des-loucar-se” – resultado da chamada do livro

Grupos Textualidades babélicas e Tecendo

 

SEÇÃO SATÉLITE

INSCRIÇÕES PRORROGADAS – VII Seminário Conexões: Deleuze e Cosmopolíticas e Ecologias Radicais e Nova Terra e…

Meteorologistas e profetas da chuva – conhecimentos, práticas e políticas da atmosfera

 

OUTRAS EDIÇÕES

Dossiê Incertezas – pdf já disponível

 

CHAMADAS ABERTAS

Dossiê  “Percepção”

Editores Gabriel Cid Garcia – Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e Carolina Rodrigues – Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)

 

Dossiê “Cosmopolíticas da Imagem”

Editores Susana Dias e Sebastian Wiedemann – Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e Orssarara Ateliê.