Devir Criança



Dossiê “Devir criança – o ingovernável da vida”

| ano 7, n. 18, 2020 |

| EDITORIAL | 

O Dossiê Devir-criança: o ingovernável da vida, décimo oitavo dossiê da revista Climacom, embala uma ode à alegria, a qual afirma tudo que chega, tudo de ingovernável e imprevisível da vida, arrastando os ideais da existência. Composto por escritas, imagens, ensaios, vídeos, frames, garatujas, verbetes, disseminam o que pode o contágio de um devir-criança do e no mundo, proliferando éticas que tomam o meio como princípio, num combate sem inimigos e fazendo casa com a entrega de se estar onde se está. Por outro lado, o Dossiê explora também os devires de uma criança em sua singularidade, testemunhado por muitos meios e modos. Em sua força de viver, aventura-se com seu poder de se conectar simbioticamente com o que quer seja, posto que ela mesma é inseparável de moléculas de água, do mar, da terra, dos galhos e ventos – microscópicas, orgânicas e inorgânicas partículas que entram em fluxo e se transformam. A boa notícia é que há sempre uma criança molecular em nós, que pode se comunicar com o elementar e o cósmico, com o material e o imaterial, humano e não humano, capaz de ativar a superfície de um corpo perene aos movimentos das coisas-e-seres-do-mundo.

Leia Mais…

ARTIGOS

A potência do método de perguntas e respostas em Pina Bausch: deslocamentos em educação | Fernanda Monteiro Rigue e Ana Paula Parise Malavolta

O vídeo como dispositivo contra-hegemônico e a criança como utopia | Renata Sieiro Fernandes

O processo de reflexão da prática docente no uso de metodologias ativas: narrativas de experiências nos anos iniciais do Ensino Fundamental | Lygia Nascimento de Almeida

O devir-criança como trama no processo de pesquisa|Tabta Rosa de Oliveira

Covid-19 na voz das crianças: impactos e desafios|Narda Helena Jorosky e Flavia Cristina Oliveira Murbach de Barros

Composições lúdicas entre crianças, jovens, adultos e natureza| Juliana Araújo Silva e Elizabeth M. F. A. Lima

O garatujar como ação molecular: devires que arrastam linhas de escrita…| Monalisa Romanesi Santos, Francieli Regina Garlet e Vivien Kelling Cardonetti

Quando o sol é tão forte como um mel: experimentações de existir – escrever, pensar, comunicar – com crianças| Alice Copetti Dalmaso

Notas de estudos sobre devir-criança, linguagem e tempo: “o tempo muda” | Angélica Neuscharank


ENSAIOS

Uma crônica fantástica | Mariana Vilela Leitão

Barulho | Vitória Moro Bombassaro

Estou me contaminando com as peraltices das crianças… A educação infantil como território de inspiração de um corpo poético | Fernanda Ferreira de Oliveira

“Criançar o descriançável” : a transicionalidade da infância e o paradoxo da proteção-liberdade| Maria Cristina Gonçalves Vicentin


JORNALISMO

O que se pode aprender com as florestas sobre comunicação? | Camila Ramos

Coprodução e a natureza especulativa das modelagens computacionais nas pesquisas em mudanças climáticas | Camila Ramos

Quarentena reduz poluição atmosférica, mas impactos das mudanças climáticas são tímidos | Camila Ramos


LABORATÓRIO ATELIÊ

LIVROS – LANÇAMENTO

Design sem nome (4)