Coexistências e cocriações



Dossiê “Coexistências e cocriações”

| ano 8, n. 20, 2021 |

 

Nada vive só, tudo vive em múltiplas e complexas cocomposições sempre em formação. Com vontade de explorar as várias consequências dessa afirmação, propusemos que este dossiê da ClimaCom experimentasse diferentes possibilidades de pensar o tema “Coexistências e cocriações”. Deste modo convidamos à submissão de artigos, ensaios, resenhas, textos jornalísticos e produções artísticas e culturais que dessem atenção às coabitações, coconspirações e coevoluções; que avaliassem e problematizassem o que pode um viver junto que dure entre seres-coisas-forças-mundos heterogêneos; que mostrassem processos de coaprendizagens entre humanos e não-humanos, entre diferentes áreas, entre diferentes atores e modos de pensar e habitar o mundo. Convocamos pensamentos e práticas que fossem capazes de suspender as lógicas capitalistas e colonialistas, em que imperam os processos doentios, as exclusões, as competições e que empobrecem as condições de instauração de novos modos de existir em que nos tornamos com muitos. Trabalhos, portanto, que dessem visibilidade ao que emerge quando se pensa que tudo passa por um tornar-se com, em processos simbiogenéticos, de corresponsabilidades, como insiste Donna Haraway.

A chamada, o chamado, foi lançado e acolhido por muitos. Estamos diante do maior dossiê da Revista ClimaCom, desde seu lançamento em 2014. Recebemos materiais com autores advindos de diversas partes do Brasil, Amazônia, São Paulo, Rio de Janeiro, Piauí, Minas Gerais, Goiás, Bahia, Rio de Grande do Sul, Espírito Santo, Paraná, e de fora do país, Colômbia, Portugal e de Nova Iorque e de Santa Cruz (EUA).

São textos acadêmicos, textos jornalísticos, ensaios poéticos e visuais, traduções, performances, filmes, vídeos, fotografias, desenhos, pinturas, bordados, livro interativo, livro-objeto, livro de artista, fotoperformance, contos, poemas, exposições, catálogos, intervenções, residências artísticas entre indígenas e não-indígenas, xilogravuras, cartas e documentários e muito mais. Materiais que articulam conhecimentos e práticas de povos originários, práticas diversas, climatologia, cibernética, filosofia, medicina, história, engenharia, biologia, ciências sociais, arquitetura e urbanismo, cinema, literatura, artes, arteterapia, antropologia, psicologia, educação, comunicação, política

Experimentações que se arriscam a ganhar intimidade com rios, mares, pedras, árvores, plantas, pássaros, vírus, protozoários, baratas, ratos, abelhas, vacas, fungos, humanos, gralhas, araras, flores, cupins, elefantes…; que entram em comunicação com máquinas, vassouras, tarrafas, paredes, palafitas, luzes, palavras, imagens, sons, músicas…; que buscam honrar as relações com aldeias, quilombos, espíritos, espectros, sábios, xamãs, tempestades, vento, raios, trovões, águas, esgotos, bosques, escolas, escolas de samba… 

Materiais que avaliam a vida implicada em complexidades híbridas para além dos binarismos – ciborgues e simbiontes; que propõem mixagens entre diferentes campos de conhecimentos, disciplinas, áreas, práticas e meios; que, em meio à pandemia, instauram experiências colaborativas e de cocriação, por exemplo, entre corpos femininos e casas, entre fungos e fotografias, entre crianças e animais, entre humanos, escritas, filmes e rios, entre professores, estudantes, profissionais da saúde, usuários do Sistema Único de Saúde (SUS), artistas e profissionais da educação…

Trabalhos que enfrentam problemas relacionados com: a pandemia que nos assola, a radicalização do neoliberalismo, as heranças modernas e antropocêntricas, as mudanças climáticas, o avanço do nível dos mares, as poluições de diversos tipos, o agronegócio e a invasão de terras protegidas e reservas indígenas, a desvalorização e deslegitimação de existências, os preconceitos de gênero, os crimes-desastres, como o de Mariana…

São respostas à chamada que procuram abrir dimensões mais que humanas no pensamento, propõem coexistências multiespécies, dão atenção aos sinais, exercitam coletividades, fricções, colisões, alianças, inflexão de vozes, ativam relacionalidades, operam ziguezagues entrelinhas e espaçamentos, convocam vôos rasantes, abrem zonas de indeterminação, vizinhanças, contágios, encontros

O dossiê apresenta os limites dos encontros, tornando notáveis os caminhos que, porventura, se mostram tristes e geradores de precarização e impotência, mas também devora e reinventa esses limites, enriquecendo os cenários com coexistências e cocriações afirmativas, que aumentam a confiança no futuro e o comprometimento com o presente e com esta Terra. Transmitindo, assim, como propõe Isabelle Stengers, a experiência do viver junto, do estar junto, como uma tarefa vital por fazer. Tarefa que atravessa ciências, artes e filosofias e… que convocou um movimento múltiplo de pensar nas afinidades, empatias, simpatias, reciprocidades e companhias entre diferentes espécies, práticas, materiais, conceitos e que fazem possíveis mundos politicamente e alegremente entrelaçados.

Susana Dias, Carolina Rodrigues, Karolyne de Souza e Larissa Bellini

Leia Mais…

ARTIGOS

Ciborgues e simbiontes: viver junto na nova ordem mundial | Donna J. Haraway

Disposições para uma ativação dos possíveis cuidados para acolher o azul profundo como berçário especulativo de mundos | Sebastian Wiedemann

Zona de Contágio: uma ciência da coexistência para o tempo das catástrofes | Alana Moraes e Henrique Z. M. Parra

A animalidade que habita a escola: artes visuais, alteridade e educação | Tathiana Jaeger de Morais

Granito ao longo das serras: conquista, escalada e a individuação com as pedras | Maria Julia Fernandes Vicentin

Corpos variantes: abecedários, errâncias e travessuras | Sheila Hempkemeyer

A poética dos fungos | Tuane Maitê Eggers

Como libertar-se do bom professor? aprendizagens por espreitas, interrogações e encontros | Tamiris Vaz

Coexistência e limites do crescimento no litoral norte do Espírito Santo | Evandro de Martini

Adaptação às mudanças climáticas no Brasil: complexidade, incertezas e estratégias existentes | Sonia Maria Viggiani Coutinho; Ivan Carlos Maglio; Amanda Silveira Carbone; Eduardo Alves Neder

Da abelha rainha à escultura social: a alquimia artística de Joseph Beuys | David Adams

O outro encantado no pensamento indígena: uma escuta clínica | João Antônio Pentagna de Moraes

Música, espiritualidades e simbioses: agência/mentos em plagicombinação e improvisatividades para a composição de uma partitura curricular em cotidianos escolares | Augusto Flávio e Rosane Meire Vieira de Jesus

Imagens e corpo sob constelações infectas | Mariane Schmidt da Silva

Considerações sobre o poder entre Michel Foucault e Pierre Clastres | Cezar Prado

Arteficiências e cocriações a partir de uma perspectiva dietética intensiva | Alessandro Gonçalves Campolina

Instruções poéticas para se relacionar com objetos cotidianos | Raphael Junior Almeida Batista e Mariana Silva Da Silva


RESENHAS

A trilogia Xenogênese de Octavia Butler: evocações de uma ética do co-partilhar as diferenças | Henrique César da Silva

A queda do céu – quando inflexão de vozes florestam | Marta Catunda e Laura de Aro


ENSAIOS

Baratas | Tiago Amaral Sales

O xamã e o cientista: conhecimentos das florestas | Rafael Monteiro Tannus e Ricardo de Almeida Marchiori

Des-instalação interativa ivagination e seus fluxos: uma criação autoginográfica em site-specific em tempos de distanciamento social planetário | Juliana Wexel e Mirian Estela Tavares

Cartografando criações que espreitam resistências em reexistências | Keyme Gomes Lourenço

Travessias de pesquisa e itinerários do ser(tão): experiências de leituras e coexistências na pós-graduação | Letícia Dell’ Osbel

Climatologia camponesa: memórias e vivências diante das mudanças climáticas | Ana Claudia Rauber

Reflexões sobre o fazer antropológico: por uma elaboração entre os arquivos do desastre ambiental de Mariana em e através de suas ruínas | Cassandra Moira Costa Moura

A “rexistência” das editoras cartoneras: criando outras formas de habitar o mundo | Carolina Noury

A estética cônica de uma tarrafa | Paulo Cesar Franco

Provocações gambiológicas para um mundo em crise | Camila C. Penados e Eloisa Alves de Sousa

Escutas de Raiz Coração: alianças afetivas e poéticas e(m) territórios e (a)travessias na vida e na arteterapia | Luíza Câmara Maretto

O pensamento selvagem, da domesticação à feralização | Enzo Estevinho Guido

Artesaniando possibilidades de acolhimento de Norte a Sul: entre experiências pandêmicas na saúde e na educação | Paula Cadore, Daniele Noal Gai, Aline Milena Castro Matos e Sônia Maria Lemos

Ondas longínquas. Fotoperformance de um encontro artístico-geográfico | Silvana Sarti Silva e Rosalina Burgos

Coexistências-rio: poética pós-antropogênica no livro interativo ///rios.força.fluxo (2020) | Cláudio Filho e Fernanda Oliveira

Escola Comunitária: gerar conhecimento coletivo a partir de estudo do meio e pesquisa-ação como ferramenta para ativismos urbanos | Fernanda Eiras Rubio, Pedro Luiz Stevolo e Fabio Pereira dos Santos

Estar à espreita, ensaiar: Pesquisar em educação e artes, marcas em coexistência | Marcela Bautista Nuñez

Ação antrópica e influência em termos bioclimáticos: parâmetros para regeneração na Bacia hidrográfica do Aricanduva, no município de São Paulo | Sidney Carneiro de Mendonça Fernandes e Luis Octavio Pereira Lopes de Faria e Silva


COLUNA ASSINADA

Rio Jequitinhonha: o grande xapiri | Déa Trancoso


JORNALISMO

É necessária uma ação coletiva e ambiciosa para diminuição no aquecimento global até 2030 | Gláucia Pérez

A urgência dos diálogos entre ciências e políticas diante das mudanças climáticas | Gláucia Pérez

Livro floresta compartilha diferentes conexões afirmativas com a Terra | Gláucia Pérez

Uma ciência feita com e para a sociedade | Gláucia Pérez


PODCAST ESCUTA CLIMA

#6 Escuta Clima – Amazônia e Cerrado: a importância dos biomas para o clima

fe

ARTES

Baile do fim do mundo | Allan Gomes de Lorena e Raylane Braz de Oliveira

Rastros e ruínas: memórias de uma cidade selvagem | Ale Carrijo

Museu dos que já foram… | Sílvia Matos

Pescarias | Dirceu Carlos Marins

Coexistir | Maíra Velho

Estudos sobre fungos & montanhas | Tuane Eggers

Sem título | Cleiri Cardoso

Encontros | Vitória Moro Bombassaro

Cocriações poéticas! Acontecimentos com os outros que me afetam | Noale Toja

Coreopolíticas em torno ao rio Saracura-Bixiga | Carla Lombardo

Entrelinhas | Ana Eduarda Rigonato Diehl

Sete Encantos | Maria Souto de Carvalho

TERREIRO GAMBIARRA – Experimento Oiticica | Adriana dos Santos Araujo

Coexistências: conversas tecidas na vida urbana | Aparecida de Fátima Gonçalves Machado Nogarolli

Invenção de lugar – A Caminhada dos Umbuzeiros | Sarah Hallelujah Vicentini de Sampaio

Escrita-movimento | Oneide Alessandro Silva dos Santos e Joan Felipe Michel

Uma gota de tempo | Simone Tomé

GAIA \a Terra não é um lugar\ | Marina Guzzo

Limiar: um filme-diálogo | Coraci Ruiz

Contato | Liana Nigri

Panta Rei | Anderson Oliveira

Os domingos dos sabiás | Fábio Portugal Sorrentino

Dormência, enquanto durmo, produzo substâncias | Karlla Barreto Guirotto

Palafitas: sobre a vida que se esconde do outro lado do rio | Gabriela Gonçalves Nogarolli

O abraço dos olhos | Caio Ferrari

///RIOS.FORÇA.FLUXO | Fernanda Oliveira e Cláudio Filho

ivagination | Juliana Wexel

A educação pela pedra | Débora Bruno

Precários cortes | Rayi Kena

Cartas ao outro | Fabíola Fonseca

Por entre todas las cosas | Ana Eduarda Rigonato Diehl

Clepsidra | Marcela Cavallini e Coletiva Marcas D ́Água

Coexistências cocriadas em audioarts para ‘pensarpraticar’ o presente planeta | Podcast Intermezzo

Relação de cuidados e afetos entre criadores e vacas na Paraíba | Joelma Batista do Nascimento

Pós eclipse / Natureza imperativa | Gabriele Palma

Ar revolto | Maurício Simionato

As flores do meu jardim | Gláucia Perez

Ichi go – Ichi e – “Um momento, um encontro” | Vani Caruso

O avesso do meu ser do avesso | Vera Figueiredo


LABORATÓRIO ATELIÊ

Poema-rio | Bruno Novaes

Escrita rio – o rio em mim | Ana Oliveira Rovati

Arte na espreita e na espera… Poéticas na Quarentena [4, 5, 6 e 7]! | Bené Fonteles

Eu me nomeio rio | Néliane Simioni

rio de casa e memória | Ana Paula Valle Pereira

Caderno AIRE 2021 | Residência AIRE

Livro-oficina | Mariana Vilela

Planta-linha-palavra | Susana Dias

Cintilações [Scintillations] | Susana Dias e Sebastian Wiedemann


ARVORECER DE CASA EM CASA

Como formei-me um pajé? | Pajé Guaíra

Cartas para o novo mundo | Hellen Audrey

Love Lichia | Valéria Scornaienchi

Desnaturalizar o machismo estrutural na sociedade brasileira | Helio Hintze

LABORATÓRIO ATELIÊ