CHAMADA PARA PUBLICAÇÕES: Dossiê “Diante dos negacionismos”

Editoras: Carolina Rodriguez (FCA-Unicamp), Simone Pallone (Labjor-Unicamp) e Susana Dias (Labjor-Unicamp)

Os artigos, ensaios, resenhas e produções artísticas e culturais devem ser adequados às normas para publicação e enviados à Comissão Editorial até o dia 30 de outubro de 2021 por meio eletrônico para climacom@unicamp.br. O dossiê será publicado a partir de dezembro de 2021.

Leia a proposta do dossiê e conheça as normas de publicação da ClimaCom.

 

Imagem | Exposição Afetos nascentes

Curadoria | Susana Dias e Carolina Rodrigues

Obra | Marmetria de Fernanda Pestana

“Diante dos negacionismos”

Dos desmatamentos no Pantanal e na Amazônia, à gravidade da condução necropolítica da pandemia de coronavírus, não são poucos os acontecimentos cujas realidades estão sendo negadas no Brasil. Diante deles, torna-se preciso testemunhar suas existências. Mas… como testemunhar? De quais maneiras podemos nos colocar diante das posturas e práticas negacionistas que se alastram com intensidade pelo mundo hoje? Criado no âmbito da historiografia para se referir à negação do Holocausto ocorrido durante a Segunda Guerra Mundial, a utilização do termo negacionismo tem se ampliado tanto para se aludir ao revisionismo de outros crimes e horrores associados a eventos históricos (ao colonialismo e à escravidão, por exemplo) quanto para nomear estratégias e exercícios contemporâneos de poder que objetivam a negação de existências e realidades através das mais diversas práticas de destruição, desaparecimento, esquecimento, invisibilidade, silenciamento. Em relação à pandemia de coronavírus no Brasil, as práticas negacionistas buscam incitar a confusão, a hesitação, a dúvida e o medo em relação às ações de prevenção, às ciências e até mesmo em relação às milhares de mortes já ocorridas no país. Também no que diz respeito às mudanças climáticas, busca-se disseminar desconfiança em relação às ciências, convertendo a realidade do colapso ambiental e sanitário que vivenciamos numa questão de crença, que se intensifica com a crise de autoridade vivida pela Ciência. No caso das mudanças climáticas, o consenso científico sobre sua ocorrência não resultou numa maior conscientização em torno da gravidade da situação, evidenciando, mais uma vez, que a relação entre acesso à informação e mudança de comportamento e atitudes não está dada automaticamente, colocando em xeque a efetividade das modalidades atuais de comunicação. Como testemunhar? Nesse sentido, testemunhar não implica apenas aderir à denúncia ou à disseminação de informações relacionadas à pandemia. Tais gestos são também importantes, mas há a necessidade de se pesquisar e criar outros modos de existir dos testemunhos, abrir os testemunhos aos povoamentos mais que humanos, multiespécies, por exemplo. Outra dimensão importante diante da qual os negacionismos nos obrigam a pensar é a do horror indizível das milhares de mortes, a dificuldade de encontrar palavras que estejam à altura do acontecimento… Como testemunhar? Como tornar perceptível e sensível eventos extremos que desafiam a capacidade de compreensão e entendimento? Que colocam em xeque as percepções usuais e hábitos de pensamento? Realidades infinitamente grandes como as alterações climáticas ou infinitamente pequenas como a propagação de um vírus invisível a olho nu evidenciam os limites daquilo que é possível perceber, desafiando o que é tido como visível, dizível e mensurável, exigindo, por isso, novos modos de medir, de perceber, de ver, de dizer. Com este dossiê queremos tornar o negacionismo um campo problemático diante do qual torna-se imperativo criar modos de se testemunhar existências e realidades as mais diversas. Queremos dar atenção aos modos de testemunhar que exercitem uma efetiva atenção e cuidado. Nesse sentido, este dossiê deseja reunir produções que estejam dedicadas, de maneira afirmativa, à pesquisa com novos modos de conhecer, de pensar, de lembrar, de comunicar e informar, de contar, escrever, desenhar, pintar… Modos de expressão que estejam interessados em testemunhar existências como afirmação do direito à vida, que se encontra sob ameaça de tantas maneiras nesse momento que atravessamos.

Editoras | Carolina Rodriguez (FCA-Unicamp), Simone Pallone (Labjor-Unicamp) e Susana Dias (Labjor-Unicamp)

 

ClimaCom – NORMAS PARA A PUBLICAÇÃO

SEÇÃO PESQUISA

SUBMISSÃO DE ARTIGOS, ENSAIOS E RESENHAS

A Revista ClimaCom recebe artigos, ensaios e resenhas originais para publicação nos Dossiês para os quais faz chamadas temáticas, e também recebe artigos, ensaios e resenhas originais em fluxo contínuo.

As contribuições são avaliadas pela Comissão Editorial e por pareceristas ad hoc, por meio de revisão às cegas, reservando-se o direito da Revista de propor modificações com a finalidade de adequar os artigos e demais trabalhos aos seus padrões editoriais.

Os originais submetidos à Revista não podem estar em processo de avaliação simultânea em outra publicação e devem ser inéditos no Brasil, cabendo ao Conselho Editorial avaliar a conveniência de publicar ou não trabalhos já divulgados em outros idiomas por revistas e órgãos editoriais de outros países.

Cabe à Comissão Editorial uma análise preliminar dos originais recebidos, a fim de verificar a conformidade com as linhas editoriais e as normas da Revista, podendo recusá-los ou encaminhá-los, caso aprovados, para processo de avaliação com vistas à sua publicação ou não. Poemas e outras modalidades de produção artístico-literária e iconográfica são também publicados, mas unicamente mediante convite da Comissão Editorial.

É condição para a publicação dos materiais a adequação à linha editorial da revista, o cumprimento das normas e a revisão prévia.

Instruções aos colaboradores:

Apreciação pela Comissão Executiva Editorial

Os trabalhos serão, primeiramente, apreciados pela Comissão Editorial Executiva, que solicitará pareceres aos Consultores ad hoc, que permanecerão anônimos. Os artigos serão encaminhados aos consultores sem identificação. Os autores serão notificados da aceitação ou recusa de seus artigos.

Quando forem indicadas modificações substanciais, o autor será notificado e poderá realizá-las, devolvendo o trabalho reformulado dentro do prazo estabelecido pela Comissão. Antes da publicação dos trabalhos, os pareceres serão enviados aos autores. Caso os autores não levem em consideração os apontamentos e sugestões de correção contidas nos pareceres, o texto não será publicado.

A decisão final acerca da publicação ou não do trabalho caberá sempre a Comissão Editorial Executiva.

ARTIGOS

Serão aceitos artigos inéditos em português, espanhol e inglês com o mínimo de 5 páginas (para as áreas de exatas e biológicas) e 10 páginas (área de humanas) e o máximo de 30 páginas, excluindo as referências finais.

ENSAIOS

Serão aceitos ensaios inéditos em português, espanhol e inglês entre 5 e 15 páginas, excluindo as referências finais. Os ensaios caracterizam-se pela maior liberdade formal na exposição do tema de interesse do autor e de seus argumentos. Seu caráter é o de um exercício do pensamento, mas não desprovido de rigor.

RESENHAS

Serão aceitas resenhas de livros indicados pela Comissão Editorial Executiva em português e espanhol de até 8 páginas, incluindo as referências finais.

FORMATAÇÃO PARA ARTIGOS, ENSAIOS E RESENHAS

Os artigos, ensaios e resenhas deverão obedecer estritamente à formatação apresentada nos respectivos templates (margens, tamanho da folha, espaçamentos, tamanho de fonte, estilos etc.), que trazem também exemplos das normas para citação e referenciação. Os casos não exemplificados deverão ser consultados nos documentos da ABNT linkados abaixo.

Template para artigo ClimaCom

Template para ensaio ClimaCom

Template para resenha crítica de livro ClimaCom

Template para resenha crítica de filme ClimaCom

1) Serão aceitos arquivos somente nos formatos Microsoft Word 97-2003 ou versão superior, Oppen Ofice e RTF.
2) As citações deverão seguir a NBR 10520 – 2002;
3) As referências deverão seguir a NBR 6023 – 2002
4) Para o uso de Figuras ver tópico 5.9 da NBR 14724 – 2011
5) Para os artigos, havendo o uso de Quadro e Tabela devem deve ser consultadas as Normas IBGE completo, ou Normas IBGE simplificado.
6) As únicas expressões latinas que poderão ser usadas no corpo do texto e nas notas ao final, quando necessário, é apud e a abreviatura et al.

Observação: A avaliação dos pareceristas ad hoc será anônima. Por isso, solicitamos que os autores enviem, também, uma versão do trabalho sem identificação de autoria para apreciação dos pareceristas.

SEÇÃO ARTE

SUBMISSÃO DE PRODUÇÕES ARTÍSTICAS E CULTURAIS

Esta seção atua como um espaço expositivo da revista, no qual podem ser publicadas produções artísticas e culturais nas mais diversas modalidades (vídeo, áudio, fotografia, escrita, pintura, desenho, etc.) que possam multiplicar pensamentos em torno das mudanças climáticas na relação com o tema proposto por cada edição da revista.  Também podem ser submetidos registros de produções (instalações, oficinas, exposições, intervenções, etc.), em formato digital para publicação.

A comissão julgadora das produções artísticas e culturais é composta pelo Conselho Editorial e avaliará as submissões com base nas seguintes normas:

1) A Revista ClimaCom é uma publicação eletrônica, por isso TODAS as produções submetidas devem ser convertidas em formato digital (áudio, vídeo ou imagem).

2) As produções devem vir acompanhadas de arquivo PDF, contendo:

  • dados do(s) autor(es) (nome, instituição, e-mail, telefone);

  • título da produção;

  • resumo de no máximo 500 palavras;

  • no caso das produções audiovisuais, deve conter ainda o link em que o arquivo se encontra disponível para avaliação;

  • o FICHA TÉCNICA da produção no arquivo PDF, com as seguintes informações, quando for pertinente ao trabalho: título da obra, autor, diretor, roteirista, editor, coordenador, técnica, fotógrafo/câmera, música original, financiamento, projeto, país de produção, ano de produção.

3) As produções audiovisuais serão analisadas através de endereço eletrônico gerado pelo youtube ou vimeo, e, no caso das produções aceitas para publicação, o arquivo deve ser encaminhado via CD/DVD para o endereço da revista.

4) As produções submetidas em imagem digital devem possuir resolução mínima de 72 dpi, e com 1024 pixels no maior lado da imagem, nos formatos JPEG, GIF ou PNG.

5) O(s) autor(es) poderão submeter até 1 série de imagens, é aconselhado que cada série seja composta de até 10 imagens (se necessário a equipe da revista poderá efetuar alterações na qualidade e tamanho das imagens, para melhor adequação aos parâmetros da revista, após consultar os autores).

6) Caso seja necessário, um representante da revista entrará em contato com os responsáveis pelas obras selecionadas, por e-mail ou telefone, solicitando o envio de cópias autenticadas dos documentos exigidos por lei, tais como licença ou cessão de direitos autorais, autorização das pessoas filmadas para exibição de sua voz e imagem, autorização para uso de fonograma, músicas, obras audiovisuais, fotográficas ou de outros direitos autorais que sejam relacionados com o vídeo inscrito.

7) O produtor é responsável pela utilização de imagens ou músicas de terceiros em seus trabalhos. Todos e quaisquer ônus por problemas de direitos autorais recairão exclusivamente sobre o realizador do trabalho inscrito.

8) As submissões serão realizadas através do e-mail: <climacom@unicamp.br>. O(s) autor(es) deve(m) encaminhar no e-mail o arquivo PDF com os dados, título, link, resumo e ficha técnica da produção, junto às imagens que compõem a série.