Devolver o mistério ao humano – ressonâncias cosmopoéticas e alteridades radicais | Carolina Cantarino Rodrigues


Carolina Cantarino Rodrigues[1]

O sonho da clareza e da transparência

São múltiplos os modos de fazer existir as dimensões opacas do real que não podem ser percebidas a partir de uma experiência corpórea baseada nos cinco sentidos humanos da audição, tato, paladar, olfato, visão.

Da perspectiva dos modos de conhecer baseados nessa experiência sensível – sensorial -, as dimensões microfísicas da realidade – por exemplo, o infinitamente pequeno das partículas subatômicas que compõem a matéria e o infinitamente grande das galáxias do universo formadas por centenas de bilhões de estrelas (Novello, 2018) – permanecem como um mistério obscuro.

A concepção einsteiniana do universo – que inclui, além das três dimensões espaciais e extensivas, a intensidade do tempo em seu devir como uma quarta dimensão da realidade –  esgota o dialeto newtoniano (Novello, 2018), tornando possível a invenção de novos modos de pensar, conhecer e viver.

Da transcendência da contracultura do século XX – e suas diversas técnicas de acesso às dimensões materiais intensivas da realidade como o transe possibilitado pela música e pelas substâncias psicodélicas alteradoras da consciência – à filosofia e seus conceitos, o que se observa é que tanto a desvinculação entre a noção de verdade e a realidade sensível quanto os limites da experiência corporal fenomenológica obrigam o humano às alianças políticas com as tecnologias (Barreto, 2017).

Nesse contexto é que ocorre a chamada virada cibernética (Santos, 2003), uma conexão entre as ciências, as tecnologias e o capitalismo que cria as condições de possibilidade não só de acesso mas de intervenção e alteração das dimensões materiais intensivas da realidade e dos corpos. As tecnologias da informação e da comunicação e as biotecnologias constituem-se enquanto suas principais expressões, inaugurando novas possibilidades de conversão e extração dos fluxos vitais através da informação digital e genética.

Emerge aqui o estranho sonho de clareza e transparência de um mundo em que tudo possa ser traduzido na linguagem da informação (da codificação digital e/ou genética) e que seja capaz de atravessar toda e qualquer turvação dos corpos e da realidade – uma informática da dominação  (Haraway, 2009) que deseja abrir totalmente o mundo à possibilidade ilimitada de ser conhecido, abolindo dele qualquer mistério e opacidade. (Leia o artigo completo em PDF).

 

Recebido em: 15/09/2022

Aceito em: 15/10/2022

 

[1] Professora da Faculdade de Ciências Aplicadas (FCA), do Mestrado Interdisciplinar em Ciências Humanas e Sociais Aplicadas (ICHSA) e do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS) da Unicamp. Atualmente é Diretora Adjunta de Cultura da Pró-Reitoria de Extensão e Cultura (DCult/ProEC) da Unicamp. E-mail: carolcr@unicamp.br

 

 

 

 

 

 

Devolver o mistério ao humano – ressonâncias cosmopoéticas e alteridades radicais

 

RESUMO: Há uma brutalização da vida que envolve as dimensões materiais intensivas da realidade e dos corpos viventes. O cuidado e a atenção às relações e aos vínculos afetivos constituem-se então como uma emergência política. O presente artigo propõe pensar essas questões na companhia de obras da filosofia contemporânea dedicadas às singularidades e às possibilidades de reviravolta da destruição em curso.

PALAVRAS-CHAVE: Materialidade. Linguagem. Política.

 


Returning the mystery to the human – cosmopoetic resonances and radical otherness

 

ABSTRACT: There is an ongoing brutalization of life that involves the intensive material dimensions of reality and living bodies. Care and attention to relationships and affective bonds thus constitute a political emergency. This article proposes to think about these questions in the company of works of contemporary philosophy dedicated to the singularities and the possibilities of reversal of the ongoing destruction.

KEYWORDS: Materiality. Writing. Politics.


RODRIGUES, Carolina Cantarino. Devolver o mistério ao humano – ressonâncias cosmopoéticas e alteridades radicais. ClimaCom – Políticas Vegetais [Online], Campinas, ano 9,  n. 23,  mai. 2022. Available from: http://climacom.mudancasclimaticas.net.br/devolver-o-misterio/