?>

ClimaCom Cultura Científica - pesquisa, jornalismo e arte | ano 02 - volume 02


Incerteza viva

Exigimos que a arte se torne uma força transformadora da vida.

Franco Berardi Bifo

 

Habitualmente, no que diz respeito à vida, em todas as suas expressões, quando falamos de incerteza falamos de medo. Como se fossem palavras sinônimas, ou como se uma fosse a causa da outra ou a explicasse, aprendemos – nas escolas, em casa, nas universidades, nas ruas da cidade, nos jornais e televisão – que incerteza é o que não devemos ter, sentir ou experimentar. Herança de uma época em que os contornos da certeza coincidiam talvez com aqueles muito claros das instituições, das “fases da vida”, e dos lugares a serem ocupados em cada uma, a incerteza era o que cabia vencer com doses cavalares de certeza de variados tipos (diplomas, tecnologias, preceitos morais etc.), como se pudéssemos eliminar da vida o que lhe é constituinte por força das certezas que fabricávamos. Das mais bobas, como a certeza de ter um emprego depois de formado, às mais complexas, de que a revolução verde “salvaria” o mundo, passando por uma infinidade de outras, o efeito perverso deste empreendimento segue nos assolando individual e coletivamente. Mas agora, o remédio para a incerteza é a segurança. Diferente da certeza, que na sua dureza como ideia e como prática pretendia nos blindar contra a incerteza, a segurança nos convence a viver mal a incerteza, a carregá-la como uma espécie de doença crônica, sinônimo do medo, uma vez que eliminá-la já não é (porque nunca foi) possível. Todavia, a blindagem persiste, mas é de outra ordem, não que a primeira tenha sido abandonada, e sim porque ela serve agora a esse mal viver persistente. Pois se a física, a biologia, a matemática nos apresentaram a grandeza da incerteza, essa mesma grandeza foi convertida no presente, por meio dos cálculos, numa espécie de absoluto da certeza – “não resta dúvida de que é” –, em relação ao qual nada se pode. Aqui aprisionados, concebemos em cada um, em cada esquina, em nós mesmos e no mundo a presença do inimigo provável sob a forma do incalculável, como aquilo que nos ameaça e contra o qual precisamos nos proteger. Vivemos mal a incerteza, porque não nos permitimos vivê-la em sua imponderabilidade, desvinculada do medo, como ocasião oportuna para a mudança, para a criação, para o desvio, para nos interrogar e tudo e todos a nossa volta. Todavia, a incerteza – nos diz a arte na sua franqueza corajosa – não é parte da vida (parte a ser eliminada, acomodada, contida ou controlada), mas é viva, portanto, criadora de vida. É isso que parece propor a 30 Bienal de São Paulo sob o título Incerteza viva, convidando-nos a refletir, nas palavras de Jochen Volz, “sobre as atuais condições da vida em tempos de mudança contínua e sobre as estratégias oferecidas pela arte contemporânea para acolher ou habitar incertezas”, em lugar de mal vivê-las e maldizê-las, em lugar de reduzi-las ao cálculo ou de delas buscarmos nos proteger. Para sua consecução, durante uma série de Dias de Estudo realizados em Cuiabá (Brasil), Santiago (Chile), Acra (Gana), Amazônia Peruana, essa proposta convidou a olhar para os conhecimentos esquecidos e os saberes sujeitados, para os solos esgotados, a monocultura e as espécies desaparecidas, para as cosmologias e a relação entre arte e ciência, para os sonhos coletivos e para o presente tomando os territórios geo-políticos e científicos na amplitude da questão que nos concerne: como habitar a incerteza sem nos deixarmos esmagar por ela? A aposta nas estratégias da arte, no encontro com a ciência e a filosofia, longe de assegurar respostas, afirma a relevância do processo e da experimentação na relação com as coisas no mundo como modo de trabalhar com o que não se conhece ou sabe. Pois não será por força da imposição de modelos ou hipóteses “mais aceitas” pela academia que poderemos chegar a agir e a pensar de outro modo, e a transmutar os modos de habitar o corpo e a terra. Como sugere Mia Couto, “a incerteza é uma ponte entre o que somos e os outros que seremos”.