ANO 04 - N09 - "Percepção" ISSN 2359-4705

CHAMADA | BUSCA E OUTRAS EDIÇÕES | ENGLISH


Narrativas intempestivas: quantos gritos cabem no silêncio?

Título: Narrativas intempestivas: quantos gritos cabem no silêncio?


Resumo: Ser lixo exige um nascimento: este nascimento é o descarte. Antes o lixo é objeto sonhando, não se sabe lixo; ainda dentro do mundo do consumo, é vazio de identidade. A garrafa de Coca-Cola é igual à sua irmã, chame-se ela Vera ou Júlio. A propaganda a faz objeto do desejo e, todos aprendemos um dia, todo desejo acaba. Então é isso, pré-vida de lixo: fabricação, desejo, consumo e descarte. (Nascimento) e vida de lixo: aqui não podemos elencar etapas, aqui começa uma presumida identidade do lixo. A garrafa de Coca-Cola no canto do terreno-baldio não é igual a esta no canto da mesa; uma quer acumular água da chuva; a outra, água da torneira.

A garrafa-lixo é muito solitária, seja na vastidão do aterro sanitário, seja na do terreno-baldio. O aterro sanitário tem o lamurio da solidão dos lixos. O lixo no terreno-baldio é livre como o último grilo de sua espécie. Poderíamos ainda elencar a vastidão do mar (o lixo do mar sabe o azul da solidão), a vastidão do mangue (o lixo do mangue duvida da sua solidão), a vastidão do espaço-sideral (o lixo do espaço)…

A reciclagem é a morte do lixo. Tem lixo que é bem resolvido com essa questão. Tem lixo angustiado. Lixo devoto de santo e divino. Lixo que sonha com a vida após a morte; tem até lixo que sonha com a reencarnação de lixo! Reencarnação de lixo é o carrinho de garrafa-PET-reciclada esquecido na vastidão do pátio da escola (o lixo da escola sabe a solidão de ser brinquedo).

***

Fomos convidados/as pela escola a pensar uma intervenção sobre o lixo. Fotografamos objetos descartados que estavam vivendo no pátio da escola. A partir das imagens, e junto com elas, produzimos breves narrativas sobre suas personagens, os objetos descartados, que nos contaram um pouco sobre a vida que levavam; tinham muito por contar: por vezes evocavam memórias alegres da juventude, mas também revelaram seus desejos mais íntimos para o futuro. Nossa percepção destes objetos descartados estava sendo perturbada. Para contar estas histórias, e compartilhar esta perturbação, construímos uma exposição nos corredores da escola. Nesta exposição, as crianças e jovens foram convidados/as a escrever. O espaço que lhes destinamos para a escrita foi pouco, enchendo-se rapidamente de rabiscos e piXações insurgentes. A série de imagens que publicamos ao lado é a gambiarra criada a partir dos artefatos construídos ao longo do percurso, que ainda não paramos de percorrer.

 


Produção:

PIBID – Biologia – UFSC

ALESSANDRA BARAUNA

ANA PAULA CAMARGO

BARBARA BACCIN

CYNTHIA SAGAZ BERTO

DANIELA DE TONI

FLÁVIO LIMA GARCIA

GABRIEL CIPRIANI

GABRIEL VANZO RODRIGUES

ISADORA MEDEIROS DA COSTA PEREIRA

JULIANA ANSELMO

LARISSA DAMINELLI

LARISSA FAUSTINO

LEANDRO BELINASO

LUCIANA INGRID FARIAS

MAINI NARCISO ROCHA LIMA

MATHEUS D’AVILA SCHMITT

MARIA EDUARDA MELO

MIRELLA SOLIANI PRADA

MONIQUE PIACENTINI

NATANI DOS SANTOS COSER

RAFAELI SAIBRO

RAQUEL RHODEN

TAIS GEHLEN

VICTOR ANSELMO COSTA

 

 

 

Login