ANO 02 - N04 - "(In)finitos" ISSN 2359-4705

CHAMADA | BUSCA E OUTRAS EDIÇÕES


A teoria e a queda do céu


Marco Antonio Valentim[1]

 

 Para Alexandre Nodari,

por me lembrar que “a verdade ainda está lá fora”

 

O céu fuliginoso da Calmaria, sua atmosfera pesada não são apenas o sinal evidente da linha equatorial. Resumem o clima em que dois mundos se defrontaram. Esse elemento sombrio que os separa, essa bonança onde as forças maléficas parecem apenas se recobrar, são a última barreira mística entre o que constituía, ainda ontem, dois planetas opostos por condições tão diversas que as primeiras testemunhas não puderam acreditar que fossem igualmente humanos. Nunca a humanidade conhecera provação tão dilacerante, e nunca mais conhecerá outra igual, a não ser que um dia, a milhões de quilômetros do nosso, outro globo se revele, habitado por seres pensantes. Nós ainda sabemos que essas distâncias são teoricamente transponíveis, ao passo que os primeiros navegantes temiam enfrentar o nada.

(Claude Lévi-Strauss, Tristes trópicos, “A calmaria”)

 

Política cósmica[2]

Gostaria de refletir sobre um traço particularmente característico da cosmologia no quadro do assim chamado discurso filosófico da modernidade, em vista sobretudo de elucidar, sob certo aspecto, a sua situação cosmológica. Como se sabe, esse traço é manifestamente ambíguo: se, de um lado, com a revolução copernicana celebrada por Kant, o universo se torna infinito, de outro, esse mesmo universo como que se fecha sobre o homem enquanto único “cidadão do mundo”:

Todos os progressos na civilização, pelos quais o homem se educa, têm como fim que os conhecimentos e habilidades adquiridos sirvam para o uso do mundo, mas no mundo o objeto mais importante ao qual o homem pode aplicá-los é o ser humano, porque ele é o seu próprio fim último. – Conhecer, pois, o ser humano segundo sua espécie, como ser terreno dotado de razão, merece particularmente ser chamado de conhecimento do mundo, ainda que só constitua uma parte das criaturas terrenas (KANT, 2006, p. 21).

Desse modo, ao abandonar a posição de centro empírico-material de um “mundo fechado” (e, não obstante, muitíssimo mais diversamente povoado), o homem passa a ocupar, com total exclusividade, o centro ontológico-transcendental do “universo infinito” (KOYRÉ, 2006). A ampliação literalmente exorbitante da cosmologia científica na modernidade seria acompanhada por uma drástica redução da “política cósmica”:[3] com efeito, na filosofia crítica de Kant, uma “metafísica antropocêntrica” fundamenta a ciência experimental da natureza (KEMP SMITH, 1913, p. 549).

“Há vida inteligente em outros planetas?” – longe de exprimir meramente uma curiosidade vã, essa indagação traduz, segundo o ponto de vista extraterrestre de Kant, nada menos que uma dimensão inalienável da investigação acerca da natureza e da estrutura do universo, relativa à existência política de outros mundos, tão exaltada, como fundamento positivo da cosmologia, no discurso xamânico de Davi Kopenawa Yanomami (2010). Segundo formula brilhantemente Tim Flannery (2015), a propósito da descoberta cada vez mais frequente e intensa de “sociedades não-human[o]s altamente inteligentes”: “Temos desde há muito nos perguntado se estamos sozinhos no universo. Porém, claramente, não estamos sozinhos na terra”.

Mediante um exercício de “antropologia especulativa” (SAER, 2009, p. 4), pretendo explorar certos limites do conceito filosófico moderno de mundo com foco no problema da alteridade cosmológica. Procurarei guiar-me, ao longo do percurso, por uma sagaz conclusão de Alexandre Nodari (2013, p. 269): “Se o extra-terrestre é o humano projetado cosmicamente, o extra-humano é o terreno projetando o cosmos”. Ao término, é possível que se nos mostre, como renovado escândalo filosófico, em lugar do velho ceticismo acerca do mundo exterior, a “extramundanidade” da própria filosofia, ou seja, a sua face propriamente cosmo-política[4]. “Do universo fechado ao mundo infinito”, como formula Emilie Hache (2013, p. 12) ao inverter o lema consagrado por Koyré:

 

[…] o ponto de vista extraterrestre – seja marciano, lunar ou siriano – a partir do qual os Europeus, e depois todos aqueles incitados a segui-los, aprenderam a ver e pensar, isto é, aprenderam a ver e pensar a terra, mas também a partir do qual se habituaram a se ver e sentir, está prestes a desaparecer face à intrusão de Gaia e à convulsão climática que temos provocado.

 

A teoria do céu

Primeiro projeto filosófico de Kant, História universal da natureza e teoria do céu (1755) tem por objetivo “deduzir a formação dos corpos siderais e a origem de seus movimentos desde o estado primitivo da natureza por meio das leis da mecânica” (KANT, 1946, p. 25). Mas a dificuldade de princípio com que Kant se defronta escapa ao domínio da investigação estritamente científica: era preciso compatibilizar a incomparável certeza do conhecimento natural mediante leis mecânicas com o princípio teológico-político do governo do mundo. O filósofo procura realizar essa compatibilidade postulando de saída que “as leis gerais da ação da natureza derivam também do supremo desígnio” (KANT, 1946, p. 25-26). O próprio fato de que “a matéria [tem] leis que precisamente tendem à ordem e ao decoro” (KANT, 1946, p. 31) testemunharia que física e teologia devem, em princípio, poder concordar quanto a um fundamento comum. Assim, se, por um lado, é inegável a contribuição da Teoria do céu para a cosmologia moderna, particularmente no sentido de promover a ideia de uma história da natureza (ENGELS apud SADOSKY, 1946, p. 10), Kant (1946, p. 31) não hesita, por outro, em propor o seu escrito como uma prova cosmológica, ao menos indireta, da existência divina: “Existe um Deus porque, até mesmo no caos, a natureza não pode proceder de outra forma que regular e ordenadamente”.

Após a dedução da “constituição sistemática” das estrelas fixas, dos planetas e seus satélites, com destaque para uma engenhosa especulação em torno da origem dos anéis de Saturno e da história do Sol, Kant (1946, p. 163) dedica a terceira e última parte do seu tratado de cosmologia a um “ensaio de comparação entre os habitantes de diversos planetas, baseada nas analogias da natureza”. Reconhecendo diante do leitor que “em tema dessa espécie não existe um verdadeiro limite para a liberdade de ficção” (KANT, 1946, p. 165), o autor apresenta esse ensaio como motivado por uma opinião convicta, capaz de “contribuir para a ampliação de nosso conhecimento” e dotada de probabilidade “tão bem fundada” a ponto de exigir reconhecimento por parte dos investigadores da natureza cósmica (KANT, 1946, p. 165): “A maioria dos planetas estão certamente habitados, e os que não estão, estarão alguma vez” (KANT, 1946, p. 168). Segundo Kant, “a necessidade de que os corpos siderais estejam povoados” repousa em uma consideração teleológica: “a finalidade da natureza é a contemplação de seres racionais” (KANT, 1946, p. 166-167). Desse modo, a especulação ensaiada por Kant encontra firme apoio no mesmo princípio que comanda toda a Teoria do céu:[5] a probabilidade de outros planetas serem povoados respeita a ordem teleológica do universo tanto quanto a efetiva disposição sistemática dos planetas no sistema solar. Porém, Kant não se contenta com a afirmação dessa opinião provável; ele a desenvolve, como diz Szendy (2011, p. 73), sob a forma de uma “filosoficção”, guiada pelos princípios racionais do governo divino: uma “especulação etnocosmológica livre”.

Notavelmente, no princípio dessa dedução da existência e do caráter dos habitantes de outros mundos, Kant confere às faculdades humanas da razão e da sensibilidade um estatuto eminentemente cosmológico: “A capacidade de pensar racionalmente, e o movimento do corpo que obedece àquela, são restringidas pelas condições proporcionadas pela distância do Sol à matéria à qual [o espírito humano] está atado” (KANT, 1946, p. 169). Quanto mais a matéria é vivificada pela influência da luz solar, mais ela capacita, e condiciona, a alma humana aos “trabalhos da economia animal”, impondo limites e obstáculos ao cumprimento de sua destinação racional (KANT, 1946, p. 171). Isso implica, por exemplo, que os habitantes de Júpiter e Saturno, de corpos constituídos por “matérias muito mais leves e fugazes”, seriam detentores de um caráter anímico mais sublime e perfeito do que os habitantes dos planetas inferiores. Essa “suposição mais que provável” é proposta quase como uma lei: a “clareza e vivacidade dos conceitos” dos habitantes planetários é tanto mais intensa quanto maior a distância de suas residências em relação ao Sol (KANT, 1946, p. 172-173). Donde a comparação entre as “qualidades dos diversos habitantes” do cosmos prometida por Kant (e formulada mediante paráfrase do Ensaio sobre o homem de Alexander Pope):

A natureza humana, que na escala dos seres ocupa, por assim dizer, o degrau intermediário, se mantém entre os dois limites extremos da perfeição no justo meio, igualmente distante de ambos os extremos. Se a ideia das classes mais sublimes de seres racionais que habitam Júpiter ou Saturno incita os zelos e humilha os homens pelo reconhecimento de sua própria baixeza, pode satisfazê-los novamente e tranquilizá-los o aspecto dos graus baixos que, nos planetas Vênus e Mercúrio, estão reduzidos muito abaixo da perfeição da natureza humana. Que visão mais assombrosa! De um lado, vemos seres racionais perante os quais um esquimó ou um cafre seria um Newton, e do lado oposto outros que considerariam este último como um macaco! (KANT, 1946, p. 173).[6]

Percebe-se claramente que a “etnocosmologia” kantiana prenuncia, de maneira exemplar, essa outra “filosoficção” que consiste no cosmopolitismo vindouro da Ideia de uma história universal (1784)[7], caracterizada, como revela Lévi-Strauss (2013, p. 53) em um profundo diagnóstico, pela tentativa de erigir o “reino supremo” da humanidade universal mediante um duplo corte, a separar, de um lado, “a humanidade da animalidade” e, de outro, “homens de outros homens”: trata-se, com efeito, daquele mesmo “ciclo maldito”, simultaneamente especista e racista, que constitui a máquina antropológica do Ocidente moderno. Não é à toa, aliás, que o conhecimento do homem sobredetermina, na filosofia de Kant, a ciência da natureza: como se lê no início da Geografia física, a cosmologia, em acepção estrita, equivale à antropologia (KANT, 2012, p. 445-446).

Ora, vendo-se as coisas a partir da Teoria do céu, o que permite a instauratio magna daquela política cósmica, a do Estado cosmopolita, se não a adoção heurística de uma perspectiva extraterrestre, enquanto extrapolação narcísica do egoísmo humanista? De fato, na conclusão do tratado – em que ademais Kant especula sobre a possibilidade futura de os habitantes da Terra encontrarmos “novas residências em outros céus quando se tiver cumprido por completo o tempo que nos fora indicado aqui para nossa permanência” –, invoca-se justamente a contemplação do “céu estrelado em uma noite serena”, “espécie de deleite que só sentem as almas nobres”, como perspectiva sobremaneira favorável à constatação da inferioridade e miséria terrestre dos homens mas, ao mesmo tempo, de sua possível elevação moral no sentido da existência sublime dos habitantes de planetas superiores (KANT, 1946, p. 181-182).

(Anti)perspectiva extraterrestre

“Tudo se passa”, escreve Szendy (2011, p. 99), “como se, segundo uma necessidade do discurso kantiano que se verifica sem cessar, o cosmopolítico apelasse ao cosmológico”: a “necessidade de pensar a humanidade desde seu limite extra-terreno” (SZENDY, 2011, p. 101) levantar-se-ia como condição sine qua non para a garantia da universalidade do juízo cosmopolita, em face da ameaça suscitada pela emergência virtual de outros mundos, extra-humanos, principalmente terrenos. Hipótese exagerada? Vejamos.

Contrariamente, poder-se-ia talvez argumentar, a partir da célebre analogia proposta por Kant, no Segundo Prefácio da Crítica da razão pura (2001, p. 20), entre a explicação copernicana dos movimentos celestes e a revolução epistemológica da metafísica, que a perspectiva extraterrestre não coincide com um ponto de vista antropocêntrico (ptolomaico?), uma vez que desloca o espectador humano de sua posição central para “fazê-lo girar em torno aos astros”. Contudo, é manifesto que, no quadro dessa analogia, aquilo que para Kant conta como centro de perspectiva não é o homem como ente natural e objeto empírico, mas o homem como ente racional finito, ou seja, sujeito transcendental do conhecimento. E tal sujeito, por cujo poder de representação todos os objetos da natureza devem se regular, não é senão o entendimento enquanto faculdade dos conceitos a priori. Indeterminável pelas leis que ele mesmo impõe aos fenômenos, esse sujeito faz exceção ao campo da experiência, situando-se, por natureza, fora.

Assim, se é verdade, como dizem Deleuze e Guattari (1997, p. 113), que “a ideia da revolução copernicana põe diretamente o pensamento em relação com a terra”, é certo, por outro lado, que o faz para projetá-lo em definitivo além dela e, mais ainda, para assim territorializá-la – a terra, “a Desterritorializada” – em função e proveito exclusivos da subjetividade transcendental, extraterrestre. Decerto, enquanto centro de referência para toda objetividade possível, o sujeito kantiano teria, ao menos pretensamente, mais em comum com os habitantes etéreos de Júpiter e Saturno do que com os povos terrenos, por demais expostos à luz do Sol e, por isso, aprisionados na matéria densa… Mas importa sobretudo notar que, longe de propor uma relação meramente analógica, externa, entre metafísica e cosmologia, a ideia da revolução copernicana instaura, como se dizia, uma situação cosmológica inteiramente nova, que a política correspondente, o cosmopolitismo estatal, não fará senão impor, com violência verdadeiramente sobrenatural, aos povos da terra e seus respectivos mundos.

Diante disso, não deixa de espantar que Szendy avalie positivamente (sem dissimular um gesto iluminista) a constituição universal da perspectiva humana – “o todos-e-cada-um” – por meio do “desvio cosmoteórico pelo todo-outro” (SZENDY, 2011, p. 102), quase no sentido de um perspectivismo:

Os extraterrestres kantianos não são uma superstição, até porque não são divinizados. Eles encarnam antes, exemplarmente, uma espécie de para-além necessário da razão humana, a fim de que ela possa ser pensada em sua luz e como luz, sempre e ainda a vir. É por isso que eles figuram, em sua filosoficção recorrente, uma certa ideia esclarecida da justiça (SZENDY, 2011, p. 119).

É evidente, nesses termos, que os extraterrestres imaginados por Kant devolvem ao filósofo apenas a sua própria imagem, agora confirmada como universalmente válida e normativa: esses outros não seriam “invasores que nos chegam do exterior, mas antes os que sempre estiveram aí, habitando nosso ponto de vista com a estranheza que o torna possível” (SZENDY, 2011, p. 150). Esses outros não são senão o mesmo, isto é, todos[8] – por exclusão, é óbvio, daqueles que habitam outros mundos, na terra ou no céu.

Nada mais distante, portanto, daquilo que, em vista do pensamento dos povos ameríndios, Eduardo Viveiros de Castro denomina “perspectivismo cosmológico” (2002) – “a cosmologia contra o Estado” (VIVEIROS DE CASTRO, 2011, p. 256) –, em que a originária determinação pelo “ponto de vista de Outrem” frustra de saída a possibilidade de algo como o “ponto de vista de Sirius”, multiplicando assim vertiginosamente os agentes e patamares cósmicos, celestes e terrestres[9], ao invés de reduzi-los àquele “mundo comum” que, segundo Kant (2005a, p. 176), deve ser a morada dos filósofos, “tal como os matemáticos já possuem há muito tempo”. Com efeito, enquanto, na “epistemologia objetivista favorecida pela modernidade ocidental”, “conhecer é dessubjetivar, explicitar a parte do sujeito presente no objeto, de modo a reduzi-la um mínima ideal”, na epistemologia xamânica ameríndia, “conhecer é personificar, tomar o ponto de vista daquilo que deve ser conhecido” (VIVEIROS DE CASTRO, 2002, p. 358).

Ora, é precisamente essa virtualidade da perspectiva, segundo a qual “um objeto é um sujeito incompletamente interpretado”, sendo “o objeto da interpretação a contra-interpretação do objeto” (VIVEIROS DE CASTRO, 2002, p. 360), que termina por ser radicalmente neutralizada pela revolução copernicana de Kant, a exigir a plena objetivação de outrem para o sujeito universal do conhecimento. Afinal, a reduplicação transcendental do ponto de vista por meio de seu espelhamento projetivo no extraterrestre interdita, por princípio, qualquer possível colocação do humano em perspectiva, para resguardá-lo, absoluto, em seu “isolamento metafísico” (HEIDEGGER, 1990, p. 172). Ao invés de designar uma efetiva alteridade cosmológica, o extraterrestre kantiano consiste, enquanto duplo especular do sujeito transcendental, no limite negativo da própria perspectividade.

Crítica sobrenatural

A hipótese lançada acima, de que o cosmopolitismo de Kant – a sua “teoria do céu” em sentido mais amplo – consiste em uma certa política cósmica, resultante da aliança dos humanos com os extraterrestres, ganha uma confirmação decisiva a partir de outro ensaio, Sonhos de um visionário explicados por sonhos da metafísica (1766). Aí se torna possível discriminar que espécie de outro extra-humano é necessariamente preterido ou, como propõe Monique David-Ménard (1996, p. 102), “recalcado” pelo homem cosmopolita, em benefício de seu duplo extraterrestre. No entanto, é curioso observar que Kant escreve esse ensaio, decisivo no advento da Crítica, para denegar como irremediavelmente ilusórias “filosoficções” sobre a ideia de mundo, tais como as que ele próprio desenvolve na Teoria do céu. Segundo David-Ménard (1996, p. 25-27), essa “denegação” se consolida na discussão da antinomia da razão pura realizada pela Primeira Crítica, mediante a exclusão do “estatuto do provável nas categorias do entendimento”, e seria motivada, principalmente, pela necessidade de desmentir “a perigosa vizinhança do noumenon com os espíritos dos mortos”. Resta saber se essa vizinhança é apenas ideológica ou propriamente cosmológica.

Tomando como alvo exemplar de suas considerações a obra do místico sueco Swedenborg, o filósofo empreende uma “Anticabala” (KANT, 2005a, p. 176 e ss.). Nessa polêmica, Kant preocupa-se em elucidar a ilusão que acomete “pessoas incomuns”, fazendo-as tomar “objetos como exteriores a elas, os quais seriam tidos como uma presença de naturezas espirituais em seus sentidos corporais”, de modo que “imagens aparentadas da fantasia [assumam] a aparência de sensações” (KANT, 2005a, p. 173). O perigo de tal espécie de ilusão reside, em seu limite, no fato de que os sujeitos dela cativos – sejam loucos, impostores ou mesmo filósofos – julgariam habitar ou ter acesso a “mundos diferentes daqueles em que eles têm sensações” (KANT, 2005a, p. 210-211). No limite, essa hipóstase da alucinação espiritual teria por consequência uma violação da própria apercepção identitária subjetiva (a “unidade pessoal” [KANT, 2005a, p. 163]):

É certamente um mesmo sujeito que pertence como um membro simultaneamente ao mundo visível e invisível, mas não exatamente a mesma pessoa, porque as representações de uma não são ideias que acompanhem as representações do outro mundo, devido à sua constituição distinta, e, por isso, não lembro enquanto homem aquilo que penso como espírito e, vice-versa, meu estado como um homem não entra na representação de mim mesmo como um espírito (KANT, 2005a, p. 170).

Dito de outro modo, “a alma humana deveria, por isso, ser considerada já na vida presente como ligada a dois mundos simultaneamente” (KANT, 2005a, p. 162): o “mundo comum”, objetivamente dado, e a “comunidade dos espíritos”, em que “seria tão fácil falar com um habitante de Saturno quanto com uma alma humana defunta” (KANT, 2005a, p. 204). Donde o problema não simplesmente epistemo- mas intensamente cosmo-lógico, com o qual Kant se debate (sem dúvida, muito além de seus Sonhos): como “construir a fronteira entre um espírito e outro, ou entre o interior e o exterior para um mesmo sujeito” (DAVID-MÉNARD, 1996, p. 99)? Contra a ilusão da diferença entre mundos que paradoxalmente se superpõem em conflito, como assegurar em definitivo a unidade do “mundo comum”?

Com extrema perspicácia, David-Ménard (1996, p. 92 e ss.) demonstra como Kant oscila, quanto a esse propósito, entre uma explicação fisiológica da ilusão espectral e um fascínio pelo “estranho parentesco”, “acordo prodigioso”, do idealismo metafísico com o ocultismo visionário. De fato, há que observar a indisfarçável semelhança de condição entre os “outros cosmopolitas defuntos” (KANT, 2005a, p. 204) que, segundo o filósofo, jamais poderíamos ser e os genuínos “cidadãos do mundo”, em que todos sempre podemos nos tornar: assim como um espírito “ocupa um espaço sem poder preenchê-lo” (KANT, 2005a, p. 151) – possibilidade que, sem dúvida, subverteria inteiramente a armação estético-transcendental do mundo –, o homem cosmopolita exerce sua liberdade moral em meio à causalidade da natureza. Ora, desse ponto de vista, que diferença haveria entre a sobrenatureza de um e a Cultura de outro, senão aquela que Kant presume haver entre os “sonhos da sensação”, supostamente idiossincráticos, e os “sonhos da razão”, necessariamente universalizáveis (DAVID-MÉNARD, 1996, p. 94)? Seria, então, a soberania do próprio sujeito racional, contrariamente ao desígnio consciente da Aufklärung, uma condição de natureza espectral?[10]

Seja como for, importa aqui destacar, sobretudo a manifesta divergência de função entre os espíritos e aqueles “outros” (them…), os extraterrestres, na economia do discurso kantiano: enquanto os primeiros multiplicam os mundos, constituindo como que o paradigma extra-humano da alteridade cosmológica, os segundos só vêm a confirmar a unidade do mundo, refletindo, como que em negativo, a imagem assombrosa de uma humanidade universalmente exclusiva.

De fato, é quando, em seu pensamento antropológico mais tardio, Kant parece por um momento abdicar do ponto de vista extraterrestre, que essa projeção exorbitante desempenha um papel ostensivamente fundamental na autodeterminação do caráter específico do homem. Como se diz na Antropologia pragmática, “o problema de indicar o caráter da espécie humana [seria, a princípio] absolutamente insolúvel”:

Se o conceito supremo da espécie for o de um ser racional terrestre, então não poderemos nomear nenhum caráter seu, porque não temos nenhum conhecimento [empírico] de seres racionais não-terrestres para poder indicar [por comparação] sua particularidade e caracterizar assim aqueles seres terrestres entre os racionais em geral (KANT, 2006, p. 216).

Mas, note-se bem, a falta desse conhecimento chancela de forma efetiva a redução antropocêntrica da cosmologia: “nada mais nos resta a não ser afirmar que ele [o ser humano] tem um caráter que ele mesmo cria para si enquanto é capaz de se aperfeiçoar segundo os fins que ele mesmo assume” (KANT, 2006, p. 216) – capacidade, aliás, que, em seus níveis técnico, pragmático e moral, “diferencia caracteristicamente o ser humano dos demais habitantes da terra” (KANT, 2006, p. 216), situando-o hierárquica e incomensuravelmente acima de todos os “animais irracionais”, que são assim aproximados às meras coisas, “de que se pode dispor à vontade” (KANT, 2006, p. 27). Com total clareza, vemos, pois, que o extraterrestre não é senão a imagem negativa – e, por isso mesmo, constitutiva – do homem cosmopolita, formador de mundo. Se “o próprio do Homem é não ter nada de próprio”, é justamente “tal im-propriedade humana” aquilo que “lhe daria, por feliz consequência, direitos ilimitados sobre todas as propriedades alheias” (VIVEIROS DE CASTRO, 2015, p. 26-27).

Mas isso não é tudo; na melhor das hipóteses, apenas a metade: pois, em Kant, os extraterrestres surgem, verossimilmente, para conjurar os espectros de outros mundos, os espíritos. É notável quanto a isso que Kant, nos Sonhos de um visionário, jamais consiga oferecer uma refutação cabal de sua existência. Após ensaiar uma argumentação que aponta para o fundamento fisiológico da ilusão espectral – “o homem confuso põe fora de si simples objetos de sua imaginação e os considera como coisas efetivamente presentes diante dele”; “o transtorno do tecido nervoso pode ser a causa de se tranpor o focus imaginarius para o lugar de onde viria a impressão sensível de um objeto corporal efetivamente dado” [KANT, 2005a, p. 181-183]) –, o filósofo parece capitular diante da possibilidade, jamais de todo alienável, de que essa mesma “ilusão dos sentidos” seja ocasionada pelos próprios espíritos, constituindo como que uma prova de sua existência paradoxal: “Elas [as histórias comuns sobre espíritos] justificam bastante a suspeita de que poderiam ter nascido de uma tal fonte” (KANT, 2005a, p. 183).

Extrapolando-se para além dos Sonhos: seria a espectralidade uma outra forma, uma forma outra, do transcendental? Seria a transcendentalidade mesma irremediavelmente equívoca, ponto de disputa a priori entre pensamentos, com seus respectivos mundos, estruturalmente divergentes? Ou ainda, seria a transcendentalidade – paradoxalmente – uma forma da espectralidade, isto é, um modo de autodeterminação por outrem? Segundo David-Ménard, a refutação kantiana, não sendo capaz de demonstrar a inexistência da alteridade espectral, só pode “virar-lhe a cara”, consumando o ocultismo para afastá-lo em definitivo:

Trata-se de, liquidando a questão, pensá-la perfeitamente, dela se distanciando. E aqui se reconhece a própria ambiguidade da relação com o outro num modo de pensamento que remonta a um fantasma de onipotência: trata-se indiferentemente de suprimir o outro, aqui a questão repugnante dos espíritos, ou de dele se distanciar (DAVID-MÉNARD, 1996, p. 109).

Tal supressão seria operada mediante distanciamento, e este por meio do estabelecimento daquela fronteira “entre um espírito e outro, ou entre o interior e o exterior para um mesmo sujeito”: nos termos de nossa discussão, entre os outros-mesmos, os extraterrestres, e os outros-outros, os espíritos. David-Ménard mostra que a referida fronteira – somente ela capaz de garantir a coincidência aperceptiva dos humanos consigo próprios e, com isso, a unidade de um mundo comum – é erigida por Kant, nos Sonhos de um visionário, mediante a “noção crítica de limite”, por recurso inaugural à objetividade, entendida aqui como dispositivo de neutralização, ou melhor, de conjuração da alteridade cosmológica: o objeto da experiência “constrasta com os fantasmas e limita-lhes com isso o desenvolvimento” (DAVID-MÉNARD, 1996, p. 101)[11]. O objeto, pois, como antifantasma – se “a metafísica é uma ciência dos limites da razão humana” (KANT, 2005a, p. 210), essa ciência, que a Crítica da razão pura chamará de filosofia transcendental, nasce justamente em uma confrontação direta com o “mundo dos espíritos”: “O conceito positivo do limite como restrição de um uso aberrante do pensamento é descoberto graças à reflexão sobre Swedenborg” (DAVID-MÉNARD, 1996, p. 106; grifo no original).

Portanto, considerada assim cosmologicamente, em meio a conflito entre mundos, a revolução copernicana de Kant consiste, antes de mais nada, em um levante político: do homem cosmopolita, espectro extraterrestre, contra a multidão dos espíritos terrenos, extra-humanos.

A queda do céu

Como vimos, em Kant, a redução antropocêntrica da política cósmica é evidenciada exemplarmente pela solidariedade essencial da Teoria do céu com o Estado cosmopolita:

Nós também e acima de tudo, seguindo uma via em parte aberta por Hannah Arendt, esboçamos uma passagem da estética à política através da cosmologia especulativa: é como se, voltando para trás no tempo de uma cronologia clássica de leitura, a articulação, a ligação, a dobradiça entre a universalidade subjetiva da Crítica do juízo e o cosmopolitismo da Ideia de uma história universal residisse na visão cósmica da Teoria do céu. Como se o todos-e-cada-um sobre o qual se orienta o juízo de gosto só pudesse incluir a humanidade como tal por meio de um desvio cosmoteórico pelo todo-outro que habita os globos extraterrestres (SZENDY, 2011, p. 102).

Mas a mesma evidência é também proporcionada, de um ponto de vista completamente diverso, pela crítica xamânica de Davi Kopenawa, quando anuncia, em A queda do céu, a causalidade sobrenatural imanente que liga o “pensamento enfumaçado” dos napë (os brancos) à destruição da “terra-floresta”[12]:

Os espíritos vivem na floresta e dela se nutrem, e é por isso que, como os humanos, querem defendê-la. Mas os brancos os ignoram. Eles derrubam e queimam todas as árvores para alimentar seu gado. Escavam o leito dos rios e destroem os montes em busca de ouro. Explodem grandes rochas que fazem obstáculo à abertura de suas estradas. Contudo, montes e montanhas não estão simplesmente postos sobre o solo. Eles são casas de espíritos! Mas essas são palavras que os brancos não compreendem. Eles pensam que a floresta está morta e vazia, que a natureza jaz aí sem razão, que é muda. Então, eles dizem a si mesmos que podem dela se apossar para pilhar à vontade as casas, os caminhos e o alimento dos xapiri! Eles não querem ouvir nossas palavras nem as dos espíritos. Preferem permanecer surdos (KOPENAWA; ALBERT, 2010, p. 515-516).[13]

Haveria, portanto, um nexo escatológico da teoria do céu com a sua queda? Afinal, e se o “céu estrelado acima de mim”, como lemos na célebre conclusão da Crítica da razão prática – imagem que “aniquila minha importância enquanto criatura animal” ao mesmo tempo em que, suscitando o sentimento da lei moral em mim, “eleva infinitamente meu valor enquanto inteligência” (KANT, 2002a, p. 255) –, e se esse céu sublime viesse enfim a desabar sobre todos, especialmente sobre aqueles outros que, resolutos em sua “insegurança” terrena, recusam espiritualmente a “vida independente da animalidade e mesmo de todo o mundo sensível” (KANT, 2002a, p. 256) prometida pela racionalidade cosmopolita?

A esse respeito, ouçamos novamente Kopenawa, enquanto porta-voz dos espíritos da floresta:

O que os brancos nomeiam o “mundo inteiro” se corrompe por causa de usinas que fabricam todas as suas mercadorias, as suas máquinas e os seus motores. A terra e o céu podem ser vastos, mas suas fumaças se estendem em todas as direções, e todos são atingidos: os humanos, os animais e a floresta. É verdade. Mesmo as árvores estão doentes. Tornadas espectros, elas perdem suas folhas, secam e se quebram sozinhas. Também os peixes morrem disso, na água contaminada dos rios. Com a fumaça dos minerais, do petróleo, das bombas e das coisas atômicas, os brancos vão fazer adoecer a terra e o céu. Então, os ventos e as tempestades entrarão em um estado de fantasma. No fim, os xapiri e a imagem de Omama, até mesmo eles, serão atingidos! É por isso que nós, xamãs, estamos tão atormentados. Quando a epidemia xawara nos toma e cozinha a nossa imagem com gás e petróleo em suas marmitas de ferro, ela nos faz virar outros e sonhar sem interrupção. Nós vemos então todos esses brancos à procura do metal que cobiçam. Vemos as fumaças de inumeráveis tropas de seres maléficos xawarari que os acompanham, e os combatemos com força. […] Os brancos pensam talvez que Teosi fará desaparecer do céu a fumaça de suas usinas? Eles se enganam. Carregada muito ao alto em seu peito pelo vento, ela já começa a sujá-lo e queimá-lo. […] Se isso continuar, a imagem do céu será perfurada lentamente por buracos, sob o calor das fumaças do mineral. Ela derreterá então pouco a pouco, como um saco plástico lançado ao fogo, e os trovões não pararão mais de vociferar de cólera. Isso só não acontece ainda porque seus espíritos hutukarari não cessam de verter água sobre ele para resfriá-lo. Mas essa doença do céu é o que nós, xamãs, mais tememos. Os xapiri e todos os outros habitantes da floresta também estão muito inquietos por isso, pois, se o céu se incendiar, ele cairá novamente. Então, nós seremos todos queimados e, como nossos ancestrais nos primeiros tempos, jogados no mundo subterrâneo (KOPENAWA; ALBERT, 2010, p. 390-391).

O cientista Antonio Nobre – pesquisador do Centro de Ciência do Sistema Terrestre do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (CCST/Inpe) e do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa) –, cujas pesquisas revelam espantosas continuidades entre a atmosfera celeste e a floresta amazônica, embasando uma grave avaliação sobre o futuro climático desta (NOBRE, 2014), subscreve de todo o diagnóstico xamânico de Kopenawa, a quem, aliás, se refere como “o Einstein da Amazônia” (MILANEZ, 2011):

Alguns meses depois, eu o encontrei num evento e falei: “Davi, como é que você sabia que tirando a floresta acaba a chuva?”. Ele falou: “O espírito da floresta nos contou”. E isso para mim foi um game-changer, foi uma mudança total. Por que estou fazendo ciência para concluir o que ele já sabe? E aí, bateu-me algo absolutamente crítico. O que os olhos não veem, o coração não sente: out of sight, out of heart. Isso foi uma necessidade que o meu antecessor colocou, a de que nós precisamos ver as coisas… Nós, quero dizer, a sociedade ocidental que está se tornando global, nós precisamos ver, se a gente não vê, não registra. A gente vive na ignorância. Então, faço a seguinte proposta (claro que os astrônomos não vão gostar): vamos virar o Hubble de ponta-cabeça! Vamos fazer o Hubble olhar para cá, e não para os confins do universo. Vivemos num cosmos desconhecido; nós somos ignorantes, nós estamos tripudiando deste cosmos maravilhoso que nos dá morada e abrigo. Converse com um astrofísico: a Terra é uma improbabilidade estatística. A estabilidade e o conforto que nós apreciamos, com todas as secas do Rio Negro, com todos os calores e frios, etc., não existe nada igual no universo, nada conhecido. Então, viremos o Hubble para cá e vamos olhar a Terra. Vamos começar pela Amazônia! Vamos dar um mergulho, vamos chegar à realidade que vivemos cotidianamente, e olhá-la bem de perto, já que a gente precisa disso. Davi Kopenawa não precisa, ele já tem algo que eu acho que perdi, eu que fui educado pela televisão. Eu acho que eu perdi esse algo, que é um registro ancestral, que é uma valorização daquilo que eu não conheço, que eu não vi. Ele não precisa da prova de São Tomé. Ele acredita com veneração e reverência naquilo que os ancestrais e os espíritos lhe ensinaram. Já que a gente não consegue, então vamos olhar para a floresta (NOBRE, 2010, [s.p]).

Aquelas “palavras dadas” (KOPENAWA; ALBERT, 2010, p. 37) alertam expressamente para a urgente necessidade de uma virada terrena da cosmologia, mais ainda, de um incontornável “retorno à Terra” por parte da nossa filosofia (HACHE, 2013, p. 12), a ser motivado pelo reconhecimento do conflito cósmico entre os povos diferentemente (extra-)humanos, com seus “mundos múltiplos e divergentes” (STENGERS, 2005, p. 995) disseminados profusamente entre a terra e o céu.[14] Pois se trata, por ocasião das palavras dos xapiri, de um diagnóstico rigorosamente “hipercosmológico”, a implicar – como afirma Ludueña Romandini a propósito da “in-harmonia mundi” de Lovecraft –,[15] nada menos que “uma anulação do conceito mesmo de cosmos”, em virtude da “transformação inelutável da situação do ecossistema da vida em seu conjunto dentro da ordem de esferas que agora não somente não estão mais diante do homem mas que, além disso, são chamadas a prescindir da vida” (LUDUEÑA ROMANDINI, 2013, p. 193).

Em suma, se a “fera do clima (the climate beast)” faz com que “o nosso mundo v[á] deixando de ser kantiano” (DANOWSKI; VIVEIROS DE CASTRO, 2014, p. 19-20, 25), isso acontece tanto por causa do desarranjo catastrófico das coordenadas espaço-temporais – “devir-louco generalizado das qualidades extensivas e intensivas que expressam o sistema biogeofísico da Terra” (DANOWSKI; VIVEIROS DE CASTRO, 2014, p. 25) – quanto, ao mesmo tempo, por obra da cada vez mais intensa, irremediável “permeabilidade” da consciência transcendental às “forças [assediantes] de um exo-mundo” (LUDUEÑA ROMANDINI, 2015, p. 18, 20) – cosmos extramundano ou multiverso espectral, habitado pelas inumeráveis “sombras que adejam diante do entendimento [humano]” (KANT, 2005b, p. 274)[16].

 

Tomás apalpou o próprio corpo e, sentindo o calor, ficou tranquilo. Eu sou de verdade, pensou. O marciano tocou o próprio nariz e os lábios. – Eu tenho carne – disse, meio em voz alta. Tomás ficou olhando para o estranho. – E se eu sou real, então você deve estar morto. – Não, você! – Um fantasma! – Um espectro! Apontaram um para o outro, com as estrelas queimando em seus membros como adagas, pedacinho de gelo e vaga-lumes, e então começaram a se apalpar de novo, os dois se sentindo intactos, quentes, animados, estupefatos, surpresos; e o outro, ah, sim, o outro ali, irreal, um prisma fantasmagórico emitindo a luz acumulada de mundos distantes. […] – Nunca estaremos de acordo – disse. […] Tomás estendeu a mão. O marciano fez o mesmo, imitando-o. As mãos não se tocaram, fundiram-se uma na outra.

(Ray Bradbury, As crônicas marcianas, “Encontro noturno”)[17]

 

 

Referências

BRADBURY, Ray. As crônicas marcianas. Tradução de Ana Ban. São Paulo: Globo, 2013.

CIVRIEUX, Marc de. Watunna: un ciclo de creación en el Orinoco. Caracas: Monte Avila Editores, 1992.

DANOWSKI, Déborah; VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Há mundo por vir? Ensaio sobre os medos e os fins. Desterro [Florianópolis]: Cultura e Barbárie, Instituto Socioambiental, 2014.

DAVID-MÉNARD, Monique. 1996. A loucura na razão pura: Kant, leitor de Swedenborg. Tradução de H. B. S. Rocha. São Paulo: Ed. 34, 1996.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. O que é a filosofia? Tradução de B. Prado Jr. e A. A. Muñoz. São Paulo: Editora 34, 1997.

FLANNERY, Tim. The Amazing Inner Lives of Animals. The New York Review of Books, October 8, 2015 Issue, 2015. Disponível em: http://www.nybooks.com/articles/2015/10/08/amazing-inner-lives-animals/.

FONTENELLE, Bernard de Bouvier. Diálogos sobre a pluralidade dos mundos. Tradução de Denise Bottmann. Campinas: Editora da UNICAMP, 2013.

HACHE, Émilie. Introduction: Retour sur Terre. In: HACHE, Émilie (ed.). De l’univers clos au monde infini. Paris: Éditions Dehors, 2014. p. 11025.

HEIDEGGER, Martin. Gesamtausgabe II. Abteilung: Vorlesungen 1923-1944, Band 26: Metaphysische Anfangsgründe der Logik im Ausgang von Leibniz. Frankfurt am Main: Vittorio Klostermann, 1990.

KANT, Immanuel. Ideia de uma história universal com um propósito cosmopolita. Tradução de A. Morão. [s.d.]. Disponível em: http://www.lusosofia.net/textos/kant_ideia_de_uma_historia_universal.pdf.

_____. Historia natural y teoria general del cielo: ensaio sobre la constitución y el origen mecánico del universo, tratado de acuerdo a los principios de Newton. Traducción de P. Merton. Buenos Aires: Lautaro, 1946.

_____. Crítica da razão pura. Tradução de M. Pinto dos Santos e A. F. Morujão. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2001.

_____. Crítica da razão prática. Tradução de Valerio Rohden. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

_____. Sonhos de um visionário explicados por sonhos da metafísica. Tradução de Joãosinho Beckenkamp. In: KANT, Immanuel. Escritos pré-críticos. São Paulo: Ed. da Unesp, 2005a. p. 141-218.

_____. Formas e princípio do mundo sensível e do mundo inteligível. Tradução de P. R. Licht dos Santos. In: KANT, Immanuel. Escritos pré-críticos (pp. 219-282). São Paulo: Ed. da Unesp, 2005b. p. 219-282.

_____. Antropologia de um ponto de vista pragmático. Tradução de C. A. Martins. São Paulo: Iluminuras, 2006.

_____. Physical Geography. Translated by Olaf Reinhardt. In: WATKINS, Eric (ed.). The Cambridge Edition of the Works of Immanuel Kant: Natural Science. Cambridge: Cambridge University Press, 2012. p. 434-679.

KEMP SMITH, Norman. The Meaning of Kant’s Copernican Analogy. Mind, v. 22, n. 88, p. 549-551, 1913.

KOYRÉ, Alexandre. Do mundo fechado ao universo infinito. Tradução de D. M. Garschagen. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006.

KOPENAWA, David.; ALBERT, Bruce. Les ancêtres animaux. In: ALBERT, Bruce; CHANDÈS, Hervé. (eds.) Yanomami – L’esprit de la forêt. Paris: Fondation Cartier/Actes Sud, 2003. P. 66-87.

_____. La chute du ciel: paroles d’un chaman yanomami. Paris: Plon, 2010.

LATOUR, Bruno. War of the worlds: What About Peace? Translated by Charlotte Bigg. Chicago: Prickly Paradigm Press, 2002.

LÉVI-STRAUSS, Claude. Tristes trópicos. Tradução de R. F. D’Aguiar. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

_____. Jean-Jacques Rousseau, fundador das ciências do homem. In: LÉVI-STRAUSS, C. Antropologia estrutural dois. Tradução de Beatriz Perrone-Moisés. São Paulo: Cosac Naify, 2013. p. 45-55.

LUDUEÑA ROMANDINI, Fabian. Astrophobos o la in-harmonia mundi. Glosas a la obra poética de H.P. Lovecraft. Landa, v. 1, n. 2, p. 175-196, 2013.

_____. Do espectro da metafísica à metafísica do espectro. SPECIES, v. 1, p. 7-20, 2015.

MILANEZ, Felipe. Garimpo na terra yanomami: violência e ganância. Terra Magazine (por Bob Fernandes), 27/11/2011. Disponível em: http://terramagazine.terra.com.br/interna/0,,OI5437416-EI16863,00.html.

NOBRE, Antonio. D. Há um rio sobre nós. TEDxAmazônia. 2010. Disponível em: <https://www.ted.com/talks/antonio_donato_nobre_the_magic_of_the_amazon_a_river_that_flows_invisibly_all_around_us?language=pt-br>.

_____. O futuro climático da Amazônia: relatório de avaliação científica. São Paulo: ARA – Articulación Regional da Amazônia, 2014.

NODARI, Alexandre. O extra-terrestre e o extra-humano: notas sobre “a revolta kósmica da criatura contra o criador”. Landa, v. 1, n. 2, p. 251-272, 2013.

_____. Antropofagia. Único sistema capaz de resistir quando acabar no mundo a tinta de escrever. 2015. Disponível em: <https://www.academia.edu/17573406/_Antropofagia._Único_sistema_capaz_de_resistir_quando_acabar_no_mundo_a_tinta_de_escrever_>.

PARRY, Richard Lloyd. Os fantasmas do tsunami. Piauí, n. 91, p. 48-53, 2014.

PIERRI, Daniel Calazans. Como acabará essa terra? Reflexões sobre a cataclismologia Guarani-Mbya à luz da obra de Nimuendajú. Tellus, v. 24, p. 159-188, 2013.

SADOSKY, Manuel. Nota preliminar. In: KANT, I. Historia natural y teoria general del cielo: ensaio sobre la constitución y el origen mecánico del universo, tratado de acuerdo a los principios de Newton. Traducción de P. Merton. Buenos Aires: Lautaro, 1946. p. 7-21.

SAER, Juan José. O conceito de ficção. Tradução de Joca Wolff. Sopro, v. 15, p. 1-4, 2009. Disponível em: http://www.culturaebarbarie.org/sopro/n15.pdf.

STENGERS, Isabelle. The Cosmopolitical Proposal. In: LATOUR, B.; WEIBEL, P. Making Things Public. Atmospheres of Democracy. Cambridge: The MIT Press, 2005. p. 994-1003.

SZENDY, Peter. Kant chez les extraterrestres: philosofictions cosmopolitiques. Paris: Minuit, 2011.

VALENTIM, Marco Antonio. Extramundanidade e sobrenatureza. Natureza Humana, v. 15, n. 2, p. 48-93, 2013.

_____. A sobrenatureza da catástrofe. In: OS MIL NOMES DE GAIA – do Antropoceno à Idade da Terra, Rio de Janeiro, 2014. Disponível em: https://osmilnomesdegaia.files.wordpress.com/2014/11/marco-antonio-valentim.pdf.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Perspectivismo e multinaturalismo na América indígena. In: A inconstância da alma selvagem. São Paulo: Cosac Naify, 2002. p. 345-399.

_____. O intempestivo, ainda. In: CLASTRES, Pierre. Arqueologia da violência: pesquisas de antropologia política. Tradução de Paulo Neves. São Paulo: Cosac Naify, 2011. p. 295-361.

_____. Metafísicas canibais: elementos para uma antropologia pós-estrutural. São Paulo: Cosac Naify, 2015.

 

Recebido em: 5/11/2015

Aceito em: 5/11/2015

 


 

[1] Marco Antonio Valentim é doutor em Filosofia, Professor do Departamento de Filosofia da Universidade Federal do Paraná (UFPR), Pesquisador do SPECIES – Núcleo de Antropologia Especulativa. E-mail: mavalentim@gmail.com.

[2] Uma primeira versão deste ensaio foi apresentada como comunicação no I Seminário do Instituto de Exercícios Transdisciplinares: “Cosmologias”, realizado no Espaço Guiomar Novaes (Sala Cecília Meireles, Rio de Janeiro) em 15 de outubro de 2015 e organizado por Maria Borba, a quem agradeço o generoso convite, sem o qual o texto jamais teria sido escrito.

[3] Emprego essa expressão tendo em mente o sentido original que lhe dá Viveiros de Castro (2002, p. 358) em sua exposição acerca do perspectivismo cosmológico ameríndio: a política cósmica é “multinaturalista”, por implicar uma “diferença [ontológica, e não apenas cultural] de mundo” entre os sujeitos que fazem parte do cosmos (VIVEIROS DE CASTRO, 2015, p. 55 e ss.). Para o uso estendido da noção de multinaturalismo ao plano da divergência política entre a modernidade ocidental e outros povos, cf. também LATOUR, 2002, p. 21 e ss.

[4] Sobre esse ponto, aqui apenas mencionado, cf. VALENTIM, 2013. Constrastando o discurso fundamental da ontologia, representado pelo pensamento de Heidegger sobre o ser em geral, ao perspectivismo cosmológico ameríndio (Viveiros de Castro), interpretado como uma “contra-ontologia” infundamental, procurei aí demonstrar como, desde um ponto de vista extramundano (isto é, exterior ao mundo enquanto contexto presidido pela essência do homem), a compreensão ontológica constitui, antes de tudo, uma situação cósmica definida principalmente por certa configuração hegemônica da interação política entre humanidade e não-humanidade, bem como entre povos diferentemente humanos.

[5] Princípio que é aí empregado quase em sentido constitutivo, ao passo que, na Crítica da razão pura, seu emprego será restringido tão somente à regulação da experiência.

[6] Outra fonte principal da especulação kantiana são, sem dúvida, os Diálogos sobre a pluralidade dos mundos, de Fontenelle (1686), em que a imaginação cosmológica apresenta, tanto ou mais do que na Teoria do céu, um sentido fortemente político, demonstrando, tal qual em Kant, traços expressamente racistas: “Mas como serão os habitantes de Mercúrio? Estão duas vezes mais perto do Sol do que nós. Devem ser loucos de tanta vivacidade. Creio que não têm memória, não mais do que a maioria dos negros: nunca tecem reflexões sobre coisa alguma; agem apenas a esmo e por repelões; e, por fim, creio que é em Mercúrio que ficam os manicômios do universo” (FONTENELLE, 2013, p. 119).

[7] “O papel dos homens [na tentativa de organizarem-se em uma sociedade civil presidida pelo Estado] é, pois, muito delicado. Não sabemos qual a constituição dos habitantes dos outros planetas e qual a sua índole; mas se cumpríssemos bem esta missão da natureza, poderíamos gloriar-nos de ocupar, entre os nossos vizinhos do edifício cósmico, um posto não pequeno. Talvez entre eles cada indivíduo consiga atingir plenamente o seu destino durante a sua vida. Conosco, as coisas passam-se de modo diverso; apenas a espécie pode a isso aspirar” (KANT, s/d, p. 13, nota 1).

[8] Como se lê exemplarmente em Sonhos de um visionário: “O juízo daquele que refuta minhas razões é meu juízo, depois de tê-lo pesado contra o prato do amor-próprio e em seguida contra minhas supostas razões e encontrado nele uma maior consistência. Antes eu considerava o entendimento humano universal apenas do ponto de vista do meu entendimento: agora ponho-me no lugar de uma razão alheia e externa, e observo meus juízos, junto com seus mais secretos motivos, do ponto de vista dos outros” (KANT, 2005a, p. 183-184).

[9] Para um exemplo suficientemente eloquente da vertigem perspectivística ameríndia, eis um trecho do mito ye’kuana “Medatia”, constante do ciclo Watunna: “Não sabemos como ver as outras casas: fora das nossas estamos cegos. Tampouco podemos ouvir as vozes dos espíritos. Estamos surdos nas outras casas. Entramos nelas, e nem sequer nos damos conta. Quando observamos o Céu, não vemos nada: ele nos parece vazio, não podemos ver as suas casas. Não vemos os Avós, os espíritos dos animais nem das plantas, os que vivem lá em cima. […] Os donos daquela gente, os avós dos animais, sabem que nós não sabemos” (CIVRIEUX, 1992, p. 213).

[10] Ludueña Romandini (2015, p. 13-15) encontra na antropologia hobbesiana a mesma recusa, que averiguarmos nos Sonhos de um visionário, da “substancialidade dos espectros” como condição metafísica de possibilidade para a instituição do Estado cosmopolita: “De fato, o próprio Hobbes confirma esta hipótese quando argumenta que ‘se este temor supersticioso pelos espíritos fosse eliminado, e com ele as previsões baseadas em sonhos, as falsas profecias e muitas outras coisas que dependem deles, mediante as quais algumas pessoas astutas e ambiciosas abusam das pessoas simples, os homens estariam mais aptos do que estão para a obediência civil’. […] Como se pode ver, o rechaço metafísico da espectralidade revela-se o gesto político que inaugura o nomos da Modernidade, dado que age sobre a imaginação, que ao mesmo tempo, constitui, segundo Hobbes, a arché última sobre a qual os homens operam para constituir regimes políticos e assegurar a paz da sociedade civil”.

[11] “O objeto percebido não se define aqui por si mesmo, independentemente do efeito de limitação que exerce sobre os fantasmas; uma representação merece o nome de percepção quando contrasta com as imaginações e, com isso, assegura estar-se no sonho de vigília e não na alucinação. O limite entre o interior e o exterior é aqui o resultado de uma limitação da manifestação da imaginação, decorrente do efeito de contraste. O que vem antes é esse efeito. O sonho de vigília é de imediato uma relação; é a efetividade de uma diferenciação entre o sonho e o percebido, garantindo com isso a separação entre o interior e o exterior. […] com a Crítica da razão pura, essa origem voltará no fato de que, no seio de uma teoria do conhecimento em princípio tomada em si mesma, o objeto de conhecimento tem, em relação às errâncias da razão, a mesma função restritiva que tinha o efeito de contraste assegurado pelo objeto percebido no sonho de vigília” (DAVID-MÉNARD, 1996, p. 101, 105).

[12] Sobre como essa crítica incide virtualmente sobre o idealismo transcendental de Kant, cf. VALENTIM, 2014, p. 11-20.

[13] Daniel Pierri (2013, p. 167-168) constata o mesmo nexo causal (motivacional) em narrativas guarani-mbya contemporâneas, interpretando-as no sentido de uma “transformação estrutural” da escatologia apapokuva tal qual descrita por Curt Nimuendaju. Essa transformação seria caracterizada, entre outros fatores, pela incorporação da agência destrutiva dos brancos à cataclismologia, enquanto motivo primeiro para o desígnio catastrófico de Nhanderu, a “limpeza da terra”. Lê-se, por exemplo, na principal das narrativas transcritas por Pierri: “Aquele que mandava primeiro, não cuida mais dessa terra porque ficou bravo que os brancos a estragaram. Eles furaram a terra, e ele não queria ver isso, acabaram com as matas, acabaram com os bichos e ainda culparam os Mbya. Nhanderu está bravo agora, e por isso não vai mais deixar os brancos se reproduzirem. Antigamente, não foi assim, na primeira terra. Ele já destruiu a terra antes, já queimou a terra, e sempre sobraram os brancos. Dizem que ficou para se reproduzir de novo. Mas agora é diferente. Nhanderu Tenonde já está muito bravo, e vai acabar mesmo com os brancos”.

[14] Para uma interpretação, de inspiração antropofágica (“O cosmos parte do Eu”, Oswald de Andrade), da concepção cosmológica de Uexküll acerca do entrelaçamento “aracnídeo” entre diferentes mundos humanos e não-humanos, pensada ao modo de uma “texterioridade”, cf. NODARI, 2015, p. 6-9.

[15] “O universo que se prefigura nos contos imbuídos do materialismo próprio do último período lovecraftiano é também profundamente in-humano, isto é, ali não regem mais as grandes polaridades que haviam estrutura o mundo do ánthropos: os deuses são substituídos por seres biologicamente diversos que habitam o universo desde eras inconmensuravelmente anteriores ao homem, as leis humanas abolidas, as noções de bem e mal carecem de todo fundamento e, finalmente, o cosmos se revela como o lugar mais inóspito que se possa conceber para uma espécie insubstancial como a humana” (LUDUEÑA ROMANDINI, 2013, p. 192).

[16] Veja-se, por exemplo, o relato aterrador sobre os “fantasmas do tsunami” feito por Richard L. Parry (2014) por ocasião da catástrofe sísmico-marítima que atingiu o norte do Japão em 2011.

[17] Não por acaso, esse conflito, descrito por Bradbury, entre o terráqueo invasor e o marciano nativo em torno à condição de vivo ou morto deixa-se assimilar, guardadas as devidas diferenças de mundo, à divergência de perspectiva que há, segundo Kopenawa, entre os “seres humanos” (yanomae thëpë) e os “espíritos xamânicos” (xapiripë) na cosmologia yanomami: “Nossa noite é para eles o dia. Quando dormimos, eles brincam e dançam. E quando falam de nós, chamam-nos de espectros [spectres]. Aparecemos a seus olhos como fantasmas [fantômes], pois somos semelhantes a estes. Eles nos dizem assim: ‘Vocês são estrangeiros e zumbis [revenants], pois morrem’” (KOPENAWA & ALBERT, 2003, p. 68). Essa semelhança enseja a hipótese de que o espectro seja a forma mais  originária da alteridade cosmológica. Para uma discussão sobre espectralidade como categoria metafísico-política, cf. especialmente LUDUEÑA ROMANDINI, 2015.

A teoria e a queda do céu

 

Resumo: O ensaio procura considerar criticamente o caráter antropocêntrico (segundo suas condições de sentido) da cosmologia filosófica moderna, exemplificada pela Teoria do céu e pelos Sonhos de um visionário, de Immanuel Kant – sob a perspectiva do diagnóstico xamânico da catástrofe climática proposto por Davi Kopenawa Yanomami, em A queda do céu. Investiga-se principalmente o estatuto cosmológico da humanidade cosmopolita em relação aos extraterrestres, de um lado, e aos espíritos ou espectros terrenos, de outro, tomados como figuras radicalmente distintas da alteridade cosmológica. Ao fim, especula-se sobre se haveria um nexo escatológico necessário entre a teoria do céu, enquanto discurso do homem cosmopolita, e a sua queda, enquanto símbolo da catástrofe cosmopolítica iminente.

Palavras-chave: Cosmologia. Antropologia. Extraterrestre. Espectro. Cosmopolítica.


 

The theory and the fall of the sky

 

Abstract: This essay seeks to consider critically the anthropocentric character (according to its conditions of meaning) of modern philosophical cosmology, exemplified by Immanuel Kant’s Theory of Heavens and Dreams of a Spirit-Seer – from the point of view of the shamanic diagnosis of the climate catastrophe proposed by Davi Kopenawa Yanomami, in The Falling Sky. It mainly investigates the cosmological status of the cosmopolitan humanity in relation to the extraterrestrials, on one side, and the terrene spirits or spectres, on the other, taken as radically distinct figures of the cosmological otherness. Finally, it speculates whether there is a necessary eschatological nexus between the theory of heavens, as the discourse of the cosmopolitan man, and its fall, as a symbol of the imminent cosmopolitical catastrophe.

Keywords: Cosmology. Anthropology. Extraterrestrial. Spectre. Cosmopolitics.